18 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Mundo

Biden impõe sanção trilionária contra a Rússia e diz que Putin “escolheu guerra”

Ao menos quatro grandes bancos entram na mira dos Estados Unidos

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou novas sanções contra a Rússia nesta quinta (24), em resposta à invasão da Ucrânia. Haverá restrições envolvendo transações do governo russo em moedas estrangeiras e bloqueios aos ativos dos quatro grandes bancos russos, incluindo o VTB.

Com a medida, estes bancos não poderão mais fazer negócios com empresas americanas e terão seu patrimônio nos EUA congelado. As quatro instituições somam, juntas, US$ 1 trilhão em ativos.

Biden anunciou as medidas em um discurso na Casa Branca. “Vamos limitar a capacidade da Rússia de fazer negócios envolvendo dólares, euros, libras e ienes”, disse, sem dar detalhes ainda, citando as moedas dos EUA, União Europeia, Reino Unido e Japão.

Ao anunciar as medidas, o líder americano fez ataques ao presidente russo. “Putin é o agressor. Putin escolheu essa guerra e agora ele e seu país suportarão as consequências”, alertou, em tom enérgico.

O governo dos EUA passou semanas alertando que a Rússia pretendia invadir o país vizinho. A pressão dos EUA para que isso não ocorresse, no entanto, não funcionou, e Putin enviou tropas ao país vizinho nesta quinta (24).

Biden tem o desafio de calibrar as sanções para atingir a Rússia sem gerar efeitos que se voltem contra a economia dos próprios Estados Unidos.

As vendas de petróleo e gás são o principal produto de exportação da Rússia. Aplicar restrições ao comércio desses combustíveis geraria uma alta no preço deles no mundo todo, que pode chegar aos consumidores dos EUA.

No entanto, a Rússia tem cerca de US$ 600 bilhões em dólares, e não precisa levantar dinheiro no mercado externo para financiar seus pequenos déficits. Nos últimos anos, sua dívida externa diminuiu, como consequência da dificuldade de realizar operações no exterior, trazida por sanções anteriores.