15 de abril de 2021Informação, independência e credibilidade

Blog

Um novo começo

Um novo começo

Bleine Oliveira, Blog
Cá estou, reiniciando um caminho que andei pela primeira vez há cerca de dois anos. Foi pela generosidade de Marcelo Firmino que me tornei blogueira. A estreia, todos sabem, foi no portal gazetaweb.com. Encerrada minha participação ali, Marcelo me convida para um novo desafio: escrever no eassim.net, o portal de notícias que chega propondo-se a oferecer aos alagoanos um jornalismo sério, responsável e consequente. No Blog, como sabem meus leitores (sem falsa modéstia, acredito que os tenho!), escrevo o que penso e sinto. Posso escrever sobre receita de moqueca, sobre sexo, música, política, cidadania, violência, gestão pública, amores, partidos, pessoas, cantos e encantos. No Blog, serei sempre livre! Na moderação dos comentários, não admito palavrão, nem desrespeito.

É assim: lembrando a terra dos ninguéns

Blog, Marcelo Firmino
Olá caros internautas. Cá estamos para enfrentar um novo desafio. E a vida é assim. Sempre nos leva a um desafio após o outro. Mas, nada diferente do que acontece com a maioria da nossa gente. Aliás, gente que acha assim, gente acha assado e dessa forma deixa a vida seguir. Mas o fundamental é ir adiante na certeza de que é preciso se abrir para o novo e se posicionar com independência e ética. É assim que tem que ser e para nós assim será. Como deveria ser para todos. Neste País, de um pós eleitoral que dividiu o sentimento político da Nação, os desvios de natureza moral e éticos, de fato, abalaram as estruturas das instituições. Há imensos desafios para cada uma delas, mas também para a sociedade como um todo. Nesse aspecto da vida nacional estamos em um momento trágico
Após investigação por excesso de faltas, Câmara esbanja assiduidade

Após investigação por excesso de faltas, Câmara esbanja assiduidade

Fátima Almeida
ASSIDUIDADE Depois do susto causado pela investigação do excesso de faltas dos vereadores às sessões ordinárias do Legislativo Municipal, e da ameaça de perda de mandato, a assiduidade está marcando ponto, na Câmara de Maceió. De acordo com o extrato de frequência do mês de março, publicado no Diário Oficial do Município, pela secretaria da Mesa Diretora, o máximo de faltas registradas por vereador foi duas. E cerca de 60% (13 dos 21 parlamentares) compareceram a 100% das sessões realizadas. Bom, pelo menos responderam 'presente'. A investigação conduzida pelo Ministério Público Estadual ainda não foi conclusiva, e o risco de muitos perderem o o mandato pela "faltança" ainda não foi esgotado, apesar das mais de 800 páginas de justificativas encaminhadas pela Mesa diretora para a promotor
Os vetos e a barganha

Os vetos e a barganha

Bleine Oliveira
É bem verdade que alguns deputados estaduais não querem a 17ª Vara atuando com independência, investigando a todos, inclusive agentes públicos. Agentes públicos, sabemos, incluem os próprios deputados estaduais, né? Assim, as razões de um grupo deles são bem claras: foram investigados, enfrentaram e ainda terão que enfrentar a pesada mão da Justiça. Por isso votarão pela derrubada do veto do governador Renan Filho (PMDB), que manteve os artigos da lei que permitem à 17ª Vara atuar em processos que envolvam políticos. Mas há aqueles que remancham somente pra barganhar. Isso mesmo, há deputado querendo negociar o voto em favor de um projeto que é defendido por toda a sociedade, em troca de cargos e outros privilégios no governo. Eles nem discutem o conteúdo dos vetos.

Renan perde disputa interna pelo Ministério do Turismo e Vinícius Lages cai

Fátima Almeida
Magoou? Apesar do poder e da força incontestáveis, no Planalto Central, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não conseguiu manter seu afilhado político, o alagoano Vinícius Lages, à frente do Ministério do Turismo. E foi com poucas palavras, em nota oficial da Secretaria de Imprensa, que a presidente Dilma comunicou oficialmente o nome do ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para o cargo, ao mesmo tempo em que comunicou a saída de Lages. Não, sem antes ouvir Renan, claro. A mudança seria, aparentemente, uma maneira de acomodar melhor os interesses do maior partido da base de sustentação - do qual fazem parte os presidentes do Senado e da Câmara Federal, Renan e Eduardo Cunha; o  vice-presidente da República a articulador político do governo, Michel Te
A manifestação nas ruas: do civismo ao modismo

A manifestação nas ruas: do civismo ao modismo

Blog, Marcelo Firmino
A onda de protestos contra o governo parece está se dizimando. Em algumas capitais o movimento fracassou de tal maneira que os carros de som contratados não saíram. Manaus, por exemplo, aparaceram apenas 15 pessoas para a manifestação. Em São Paulo, em plena avenida Paulista, jovens loiras que parecem ter terceirizado as vestimentas, para atrair mais gente à manifestação não conseguiram repetir o sucesso do primeiro protesto feito em março. Enfim o que está mesmo acontecendo? É saudável quando a sociedade se levanta e manifesta sua contrariedade com os rumos de um governo ou de um governante. Mas essa prática no Brasil nunca partiu das elites com interesses contrariados, mas sim do povo mais politizado. O resultado de uma eleição que dividiu o País foi o que motivou as manifest

A contrariedade de Nonô e o xis da questão na fusão de DEM e PTB

Blog, Marcelo Firmino
Na verdade mais que natural a reação do ex-governador José Thomaz Nonô contra a possibilidade de fusão entre o DEM, partido que ele lidera absolutamente em Alagoas, e o PTB, aqui comandado pelo podeoroso senador Fernando Collor. Nonô não se manifesta contra por alguma questão de ordem ideológica, filosófica ou coisa que o valha. Nada disso. O xis da questão está exatamente no controle da legenda após a fusão. Nonô e Collor são dois caciques conhecidos na politica alagoana e como diz a máxima, dois caciques não se beijam, principalmente depois de velhos. Ademais eles nunca foram do mesmo grupo político, nem nunca cultivaram relações de amizades que permitissem essa aproximação. Sempre se respeitaram mas, principlmente Nonô, bateu duro em Collor em determinados momentos da vida polític

A morte em habitações subnormais. Crime ou acaso?

Fátima Almeida
Alguém - da Defesa Civil, SMCCU, Delegacia de Polícia ou Ministério Público - tem que apurar as responsabilidades de quem construiu e alugou para moradia, as casas que constituem a vila, no bairro do Feitosa, onde três pessoas morreram carbonizadas durante incêndio, no final de semana. Construídas em blocos, no fundo de um corredor estreito e escuro, as moradias são verdadeiros covis - no sentido de habitação rude e miserável - e as pessoas, ali, não têm para onde correr, numa situação de emergência, como o incêndio que vitimou, fatalmente, uma família. Apenas uma porta de frente serve de entrada e saída das moradias.  Não há porta nem janelas nos fundos da casa. Por isso as pessoas morreram. Não foi por acaso!      

Saiu a leniência e entrou a decisão em Alagoas, diz RF

Blog, Marcelo Firmino
Com um orçamento de R$ 8,33 bilhões para trabalhar em 2015, o governador Renan Filho (PMDB) segue seu caminho promovendo encontros com diversos setores da sociedade alagoana, para dizer que agora o governo mudou. Os mais animados logo balançam a cabeça e concordam com ele: "Mudou mesmo". Ouve-se dos áulicos. Os não tão próximos ainda querem pagar pra ver. Não há muita crença na mudança. Mas, em um encontro com empresários na Casa da Indústria, em plena avenida Fernandes Lima, o governador disse exatamente o que foi mudou no seu governo em relação ao passado. E o fez com toda ênfase: - O que mudou é que saiu a leniência e entrou a decisão. A frase é de efeito, mas diz tudo. A verdade é que o segundo governo de Teotônio Vilela Filho (PSDB) foi dominado pelas "ilhas", onde em c

A farra dos veículos locados no Estado

Blog, Marcelo Firmino
A farra da locação de veículos no governo passado em Alagoas era desmedida. Pelo menos foi isso que identificou o governador Renan Filho (PMDB), ao assumir o Palácio República dos Palmares. Em conversa com  jornalistas, durante audiência, o governador deu como exemplo da farra o gabinete do antecessor Teotônio Vilela (PSDB). Disse que o gabinete tinha 12 carros locados. E o que fez? Mandou revisar o contrato de loação e reduziu a frota em 70%. O gabinete do governador ficou apenas com 3 veículos. Com as medidas tomadas, Renan Filho passou a economizar R$ 1,3 milhão ao mês, o que lhe renderá ao fim de ano mais de R$ 15 milhões. Para um Estado que vive em eterna penúria, a economia nos cofres públicos não pode ser desprezada. Esse, disse ele, é só um exemplo. A verdade é que o