26 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Caravanas com PMs e relatos de insurgência no Nordeste ligam alerta para o dia 7

Código Penal Militar prevê penas de 2 a 8 anos de prisão para crimes como incitação à indisciplina, conspiração e motim

A organização de caravanas rumo aos protestos de Brasília com a participação de policiais militares de outros estados e o clima tenso na relação entre parte das tropas e governos opositores ao presidente Jair Bolsonaro no Nordeste estão no centro das preocupações em relação aos protestos bolsonaristas de 7 de Setembro.

Em Mato Grosso, há relatos de policiais da ativa inscritos em caravanas que sairão de Cuiabá para o Distrito Federal. Em grupos privados, policiais da Bahia também se organizam para ir a Brasília e para participar do ato previsto para Salvador.

Leia mais: Bolsonaro chama o dia 7 de Setembro de “ultimato” para ministros do STF
Renan Filho nega que tenha dito à ‘Isto É’ que demitiria policiais que protestassem no 7 de Setembro

Vale lembrar que como consequências de ações antidemocráticas segundo o Código Penal Militar, que prevê penas de 2 a 8 anos de prisão para crimes como incitação à indisciplina, conspiração e motim, esses crimes levam ainda à exclusão da PM.

Além da simpatia por um presidente que elogia policiais de maneira insistente, ainda que não tenha entregado promessas de campanha, as movimentações da categoria são movidas menos por ideologia do que por problemas como baixos salários, más condições de trabalho e falta de reconhecimento.

Governos estaduais monitoram possíveis atos de indisciplina, mas publicamente afirmam que não há clima para preocupação. Enquanto isso, promotores da Justiça Militar e até juízes têm se movimentado para coibir a presença de PMs da ativa nos atos, reiterando leis e regimentos que impedem manifestações de caráter político-partidário.

Leia mais: Áudios de “bolsonaristas pais de família” falam em Guerra Civil e fuzilar STF e comunistas

Oficialmente, corporações refutam a tese de aderência de parcelas das tropas aos atos, enquanto oficiais e praças de alguns estados admitem haver colegas da ativa manifestando apoio ao presidente em grupos e redes sociais.