26 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Maceió

Áudios de “bolsonaristas pais de família” falam em Guerra Civil e fuzilar STF e comunistas

Conversas em grupos de Whatsapp mostram simpatizantes do presidente incentivando revolução armada e ódio virulento contra “vagabundos” da esquerda em Maceió após 7 de Setembro

Durante esta semana, passou a circular no Whatsapp diálogos que, aparentemente, teriam vazado de um grupo em particular e mostram apoio dos simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro em Maceió (ouça os áudios e leia as transcrições mais à frente).

Em pauta está a chegada da manifestação a favor do presidente marcada para 7 de Setembro. O que é tratado, por ao menos dois deles, como um dia decisivo que pode deflagrar ou não o início de uma Guerra Civil.

Leia mais: Hoje faz 33 anos que Bolsonaro foi expulso do Exército por planejar atentado terrorista
Renan Filho nega que tenha dito à ‘Isto É’ que demitiria policiais que protestassem no 7 de Setembro

Afirmando serem cristãos e pais de família, os responsáveis pelos áudios reproduzem à risca a cartilha do presidente, pregando ódio para com a oposição, seja ela da esquerda, meios de comunicação ou STF, incentivando o uso de armas, distorcendo preceitos religiosos e falando em “guerra ideológica”.

O raciocínio é confuso: falam em Constituição já rasgada, mas que só Bolsonaro a segue. E que seria preciso comprar arma e munição, pois a China está patrocinando os esquerdistas. E que não há mais espaço para diálogo: precisa fuzilar os opositores e fazer de tudo pela pátria, inclusive morrer por ela, enquanto travam a Guerra Civil que eles mesmo declararam e estão dispostos a lutar.

Sobre o tema nesta semana, o presidente do STF, Luiz Fux, lembrou que a “Liberdade de expressão não comporta ameaças”. E de acordo com o Artigo 286 do Código Penal, a pena para a incitação ao crime é de três a seis meses de detenção e multa.

“Num ambiente democrático, manifestações públicas são pacíficas; por sua vez, a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças. O exercício da nossa cidadania pressupõe respeito à integridade das instituições democráticas e de seus membros”. Luiz Fux, presidente do STF.

Áudio e transcrições

A seguir, você pode conferir na íntegra alguns dos áudios que chegaram a público. Basta clicar no player. Também está disponível suas transcrições.

“Patriotas. Vamos lembrar a todos aqueles que participam dessas manifestações, inclusive em Maceió no Vera Arruda, que nada contra, e quero deixar bem claro aqui: vou abrir aspas antecipadamente para não ser mal interpretado. Não adianta a gente pra lá com desfilezinho de SUV, carro de luxo, isso e aquilo não. Certo? Aquela roupinha enfeitada do Brasil, camisetinha do Brasil… Não. É um dia que vai representar a saída do Brasil desse a tirania do STF. E muitas mudanças que vão ocorrer. Então a gente tem que tá preparado para o pior. O Brasil depois disso não vai funcionar, deixar claro que muita coisa vai acontecer. Então vai haver desabastecimento, vai ver muita coisa, então… 7 de Setembro é sempre um dia cívico, uma festa cívica. Porém, a gente tem que ficar atento que vai ser um dia marcado por luta. Pode estourar uma guerra? Pode! Uma Guerra Civil? Pode! Pode marcar o dia da revolução? Pode! Então a gente tem ficar atento. Então perfumezinho cheiroso francês… Tô brincando, viu garela? Mas a sem a gente tem que preparado pra um embate, pra luta, pra guerra. Acredito, acredito mesmo, que aqui em Maceió vai estar tudo calmo. Mas lá fora o caldeirão vai ferver e a terra vai tremer”.

“Vocês viram que eu falei ainda pouco que não tem solução nem cura para comunista, não? Comunista, pode achar esquisito quem quiser: tem que fuzilar porque ele é um vírus. Ele é um vírus, ele não respeita nada não. Ele não respeita Deus, não respeita a Pátria, não respeito a família, não respeita a criança, um bebê no ventre, não respeita nada! A solução é fuzilar e mandar a conta para família desse lixo pagar”.

“O problema é que 99% dos homens e mulheres de bem que são da direita vão no discurso e na narrativa dos comunistas. O pessoal da direita quer sempre mostrar que é educado, que é decente, que é de bem, mas vai chegar uma hora que vai ser realmente necessário pegar em armas. Porque os comunistas estão sendo financiado por uma potência militar chamada China. E tenha certeza que eles vão se levantar, pegar em armas contra nós. Não se iludam que essa guerra vai se dá no campo do discurso do diálogo e do bate papo de Facebook não, viu? Vai ter Guerra Civil, não tenha dúvida não”.

“A verdade é que o problema é que o povo agora tem que levantar, se levantar como tem se levantado e não se curvar mais no ano. É meter a cara e ir para o tudo ou nada. Ir para o tudo ou nada. E é erradicar de vez, sem negócio de… Ser moderado, “ah, porque temos que ser democratas”. Democrata deste jeito, que a direita quando fala, cadeia. Se a direita for se manifestar, cadeia. Os índios vão lá a mando da esquerda na frente do Supremo, na frente do Palácio do Governo, com arco e flecha e não dá porcaria nenhuma. E agora que nem o Lewandowski, que já tá querendo intimidar todo mundo, querendo incriminar o presidente. Que em qualquer levante armado é considerado crime. Pera aí! É considerado crime pra libertar o povo dessas desgraças, mas quando vem da parte deles não é”.

“É como as canções nos ensinam: “vou deixar Pátria livre ou morrer pelo Brasil”. Quando eu estava no quartel, dos hinos que eu mais gostava era “se a Pátria querida for envolvida pelo inimigo, com ânimo forte, se for preciso, enfrento a morte. Afronta se lava com fibra de herói , de gente brava”. Então a gente precisa ser essa gente brava. Enfrentar, meu amigo, a gente tem que tá para o que der e vier. Não abrir pra ninguém não, meu amigo. Meteu a cara, a gente tem que estar a postos. Mas o problema é que quando cai um, o povo fica tudo com medo. Não! É caiu um, se levanta 10. E assim a gente vai se levantando até gente reassumir. Quando reassumir, meu amigo, expulsar. Querem Venezuela? Não querem que o país se torne uma Cuba? A gente bota avião topado de comunista e despacha. Despacha! Identificou comunista? Despacha. Bota na fronteira e vai se embora. Tem que ser assim, acabou-se a conversa. Diálogo? Vai um pai de família descer uma favela, com a bandeirinha de paz e amor. Querendo diálogo com o traficante pra ver o que que acontece. Vá um Cristão querer conversa com um terrorista islâmico pra ver o que que acontece. Essa galera só tem diálogo entre eles. Entre o povo de bem, vagabundo não há diálogo não. Diálogo com ele é na base do vale-tudo”.

“Quem tá no barco não pode abandonar o barco não, senão se afoga. A gente tá junto, estamos se fortalecendo, formando um grupo em defesa da verdade, da liberdade e da justiça dos nossos valores cristãos, patrióticos e familiares e em hipótese alguma podemos recuar, nos inibir ou se sentiu intimidado não. É momento de se unir com força para o que der e vier. E o que vem pela frente, pessoal, vai ser chumbo grosso. Então a ‘gente teja’ pronto para duas vezes mais. Ou dez vezes mais, porque quem tá disposto, está aqui. Tô disposto pra tudo, pra tudo, viu? Sou pai de família e não tenho medo de nada! Nada, só temo a justiça de Deus todo poderoso. Desses vagabundos, comunistas, filha da puta eu não devo a nenhum. Este STF é uma quadrilha de vagabundo e merecem ser fuzilados. Eles merecem fuzilados. Eu patrocinaria toda a munição para acabar com esses vagabundos”.

“Tão com ataques terroristas. Armados, matando, mas não estamos em Guerra Civil não. Deve ser o Supremo Tribunal Federal que não disse que estamos em Guerra. Meu Deus. Como ser ingênuo. É lógico que a gente está em guerra. E eu vou além: cada cidadão, homem e mulher direita, se prepare. Tenha arma e tenha munição em casa para defender sua família que a gente está perto de algo bem pior”.

“Concordo, Joatas. É isso mesmo. Eu “não creio em Constituição Federal”. Meu Deus. É muita ingenuidade, meu Pai do céu. Quem acredita e quem vem seguindo a Constituição é Bolsonaro e nós. Porque a Esquerda rasgou a constituição. Desde o impeachment da Dilma a Constituição, ela foi rasgada. Então, meu Deus do céu, querer acreditar na Constituição que eles mesmos rasgaram? Isso aí é um cativeiro para nós da Direita”.

“Sinceramente eu queria entender agora da senhora o que é que sou eu. O que é que tem a ver… O que é que eu tenho a ver com a história, agora. Porque é jornalista, é mal caráter, ela mau-caráter. Disseminadora de mentira. “Não vá às manifestações porque”… Nós somos pais… Pelo menos, é o que eu creio, que a maioria do povo que vai estar lá, 99,9% vai ser pai de família. Pode ter um vagabundo ou outro infiltrado. Porque esquerdista pra mim é o que é: vagabundo mau caráter. Eu falo sem medo de ofender. Vagabundo. mau-caráter. Esquerdista é vagabundo mau-caráter. Quer as únicas coisas que sabem fazer é raiva e fumar maconha”.

“Minha nobre amiga, com todo o respeito possível: o que tá acontecendo é que a gente tá dentro de um cenário de Guerra Civil mesmo. Agora, chama-se “guerra ideológica”. Guerra Ideológica. Já houve um Golpe de Estado. Tanto ideológico, quanto institucional. Entende? Não pense que a Guerra Civil é como era antigamente, que tinha as guerrilhas, um pegava a metralhadora, saia dando tiro no outro, por dentro da cidade… Ainda não chegou a esse ponto. As outras guerras que aconteceram no mundo começaram dessa mesma forma. Então temos que ter a ciência que já houve um Golpe de Estado institucional e existe uma Guerra Civil Ideológica. Essa é a realidade”.

“Fiquei sem entender agora esse ‘é você’. O que eu tava me referindo ali… à jornalista que tava dizendo que… “no ato agora, de Sete de Setembro, quem for às ruas, vai pra morrer, porque nós como direitistas, bolsonaristas, vamos estar saindo pra matar”. Por isso que chamei ela de vagabunda e de mau-caráter por ela estar espalhando mentiras. As verdadeiras fake news. Simplesmente agora não entendi a questão do ‘é você'”.

As assessorias do Ministério Público e da Polícia Federal em Alagoas foram questionadas sobre o conteúdo dos áudios. Até o momento, não houve respostas.

Os atos de manifestação em apoio ao presidente, endossados pelo vereador bolsonarista Leonardo Dias, acontecem em pelo menos 10 cidades alagoanas, incluindo a capital Maceió.