26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Davi Alcolumbre é o novo presidente do Senado

Senador do Amapá se agigantou diante de Renan Calheiros

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) é o novo presidente do Senado. Ele se elegeu em primeiro turno, neste sábado (2), após receber 42 votos. Um a mais do que os 41 exigidos para que não houvesse segundo turno. Essa foi a eleição mais acirrada da história da Casa desde a redemocratização.

A disputa foi marcada por um cerco de senadores de vários partidos contra Renan Calheiros (MDB-AL), que renunciou à sua candidatura no fim da tarde, alegando discordâncias com o processo eleitoral.

Depois de quatro anos de atuação tímida no Senado, Davi se agigantou diante de Renan, que chegou a chamá-lo, de maneira irônica, de “Golias”, em referência aos dois personagens bíblicos, e deve comandar a Casa pelos próximos dois anos, tempo de seu mandato.

Foi necessária a realização de duas votações secretas, em cédulas de papel, para que o novo presidente fosse conhecido. Foram registrados 77 votos. Quatro senadores não votaram na segunda rodada: além de Renan, Jader Barbalho (MDB-PA), Eduardo Braga (MDB-AM) e Maria do Carmo Alves (DEM-SE) – todos apoiadores do senador alagoano.

A candidatura de Alcolumbre foi arquitetada pelos ex-senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO), atual governador de Goiás, e José Agripino (DEM-RN), e incentivada posteriormente pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O nome dele ganhou mais força nesta tarde, com a renúncia de outros três candidatos em seu favor – Simone Tebet (MDB-MS), Alvaro Dias (Podemos-PR) e Major Olimpio (PSL-SP).

Senador David é o novo presidente do Senado.

Em manifestação no plenário, Renan anunciou a retirada do seu nome da disputa, criticando a condução do processo, em especial a iniciativa de alguns senadores – incluindo o filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) – de abrir o voto dado na cédula.

“Não sou Jean Wyllys. Não vou renunciar ao meu mandato. Vou ficar aqui no Senado. Para demonstrar que esse processo não é democrático, eu queria lhes dizer que o Davi não é Davi. Davi é Golias. É o novo presidente do Senado e eu retiro minha candidatura”, afirmou, referindo-se primeiro ao deputado do Psol que renunciou ao mandato por sofrer repetidas ameaças de morte e depois ao agora favoritíssimo candidato a presidente da instituição, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Renan Calheiros retirou a candidatura quando os senadores participavam da segunda votação secreta. Alguns parlamentares defenderam  a anulação da votação em curso, que consideraram prejudicada pelo fato de o nome do político alagoano constar da cédula. Mas o apelo não foi atendido.

Em entrevista à imprensa na saída do plenário, Renan criticou o PSDB e Flávio Bolsonaro, deixando transparecer que o comportamento dos tucanos e do filho do presidente Jair Bolsonaro foram decisivos em sua renúncia. “Tudo o que havia na primeira votação poderia ter acontecido na segunda. O que não podia era o PSDB, na segunda, abrir o voto” afirmou o alagoano, afirmando que tinha quatro votos na bancada tucana. “O filho do presidente fez questão de abrir o voto”, reclamou. Ele deixou o Congresso e não acompanhou o final da votação.