23 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Maceió

Familiares de presos protestam fechando vias em Maceió contra suspensão de visitas

Policiais penais anunciaram na segunda (30) a paralisação das atividades por tempo indeterminado

Familiares de presos fecharam várias vias em Maceió, na tarde desta terça (31) em protesto pela retomada de visitas e entrega de feiras no Sistema Prisional. Estas, foram suspensas desde segunda (30), após o início de mais uma paralisação dos policiais penais.

Além do retorno das visitas, manifestantes também cobraram divulgação de um calendário extra para visitas e entrega de alimentos no complexo penitenciário.

Mães e esposas de presos antes participaram de uma reunião, na Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris), quando depois saíram em protesto. Tomando rumo até a Fernandes Lima, interditaram várias ruas até chegarem à mais importante Avenida do capital.

De lá, partiram em direção ao Palácio República dos Palmares, no Centro, bloqueando a Ladeira dos Martírios e congestionando o trânsito na região. Muitos passageiros, inclusive, precisaram descer dos ônibus e seguir seu caminho a pé.

A Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (SERIS) comentou o protesto em nota. Confira na íntegra:

“A Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (SERIS) informa que mantém aberto o diálogo com os familiares dos reeducandos. Prova disso é que, nesta terça-feira (31), o secretário da Ressocialização, coronel PM Marcos Sérgio de Freitas, reuniu-se com uma comissão de familiares para debater demandas apresentadas à gestão prisional.

Na oportunidade, o secretário explicou seguir confiante de que o pleito dos policiais penais também será atendido na próxima quarta-feira, 08 de setembro, data prevista para a realização de uma audiência entre representantes da SERIS, SEPLAG, Governo do Estado e Sindicato dos Policiais Penais”.

Paralisação

Os policiais penais anunciaram a paralisação das atividades por tempo indeterminado na segunda (30). Eles reivindicam uma resposta do governo do Estado sobre o reajuste salarial da categoria.

Além das visitas, também estão suspensos o recebimento de feira, o atendimento de advogados e atendimento de saúde que não for caso de urgência ou relacionado à Covid-19.