21 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

IBGE: Apenas metade dos lares brasileiros tem saneamento básico

Dos 9,6 milhões de domicílios brasileiros ainda não ligados à rede de abastecimento de água, metade está no Nordeste

Brasil está atrasado em mais de 30 anos atrasado na entrega de saneamento básico à população

Segundo a Pesquisa Nacional de Saneamento Básica, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil teve pela primeira vez, em 2017, a maioria dos domicílios atendida por serviço de esgoto sanitário.

Segundo o levantamento, em 2017 havia 35,3 milhões de domicílios atendidos (ou 50,8% do total de unidades habitacionais do país). Em 2008 eram 25,4 milhões de lares, ou 43,6% da época. A pesquisa mostra ainda que 34,1 milhões de domicílios seguem desassistidos, ou 49,2% do total do país.

Se for levada em conta a previsão prevista no Marco Legal do Saneamento, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, o Brasil deveria chegar a 90% dos domicílios com esgoto até 2033.

Porém, nos nove anos de intervalo entre as duas pesquisas do IBGE, o Brasil avançou em média 0,8 ponto percentual por ano. Nesse ritmo, os brasileiros teriam de esperar até 2066 para chegar ao patamar proposto, próximo à universalização do serviço.

A falta de abastecimento de água pode acarretar problemas sanitários, aponta o IBG:

“Episódios de interrupção, racionamento ou paralisação dos serviços, se duradouros, podem comprometer, seriamente, a saúde da população, não só por privá-la do consumo de água em quantidade e qualidade suficientes, mas também por acabar levando-a a recorrer a soluções nem sempre adequadas. É o caso do armazenamento inadequado da água, que pode propiciar a proliferação de vetores de diversas doenças, como o mosquito transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela”. Pesquisa do IBGE.

Nordeste

Dos 9,6 milhões de domicílios brasileiros ainda não ligados à rede de abastecimento de água, metade está no Nordeste —região que tem a maior parte de seu território no semiárido e enfrenta constantes secas.

No recorte analisando os municípios, o levantamento aponta que o percentual destes com abastecimento de água encanada também aumentou, e chegou a 99,6% —5.548 dos 5.570 municípios em 2017.

Em 2017, dos 22 municípios sem prestador de serviço de abastecimento de água, 13 eram do Nordeste, sete do Norte e dois do Centro-Oeste. Além de muitas casas sem água encanada, a região Nordeste ainda é a que mais sofre com intermitência no abastecimento e racionamentos.

Domicílios sem abastecimento de água:

  • Nordeste – 4,8 milhões (26,6%)
  • Norte – 2,7 milhões (52,4%)
  • Sudeste – 912,8 mil (3,0%)
  • Sul – 703,1 mil (6,7%)
  • Centro-Oeste – 491,2 mil (9,1%)
  • Brasil – 9,6 milhões (13,9%)

Municípios sem estações de tratamento de água:

  • Nordeste – 24,2%
  • Norte – 21,6%
  • Sudeste – 4,6%
  • Sul – 3%
  • Centro-Oeste – 2,4%
  • Brasil – 11,7%