29 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Justiça

Juri inocenta acusado da ‘chacina de Guaxuma’, que sai em liberdade após julgamento

Único sobrevivente, e testemunha da chacina, foi um terceiro filho do casal, um menor que na época tinha 5 anos

Acusado de matar a golpes de faca quatro pessoas da mesma família, em novembro de 2015, em um sítio no Litoral Norte de Maceió, Daniel Galdino Dias foi absolvido pelo júri na madrugada desta sexta (25) e ganhou a liberdade.

O Conselho de Sentença negou a autoria do crime ao réu, que foi absolvido das acusações. O Ministério Público recorrerá da decisão “em razão da prova ser manifestamente contrária aos autos”.

No crime, morreram o casal Evaldo da Silva Santos e Jenilza de Oliveira e os filhos Estérfany Eduarda de Oliveira Santos, de 9 anos, e Adrian Guilherme de Oliveira Santos, 2 anos.

O único sobrevivente, e testemunha da chacina, foi um terceiro filho do casal, um menor que na época tinha 5 anos. Ele disse ter reconhecido Daniel como assassino, que teria cometido os assassinatos para roubar dinheiro e ganhar uma embarcação.

Ele negava a autoria dos crimes, atribuindo as mortes a um homem chamado Charles. E afirmou que o menino sobrevivente o conhecia. Ainda de acordo com a assessoria do MP, as testemunhas de defesa entraram em contradição nos respectivos depoimentos.

Já respondendo por roubos cometidos nos municípios de Paripueira e em Maceió, Galdino Dias questionou a ausência de seu DNA nas armas do crime, sempre alegando inocência.

O julgamento foi iniciado pela manhã de quinta-feira, 24, no Fórum do Barro Duro, e conduzido pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim.