25 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Laboratório Lacen/AL passa a integrar vigilância genômica do Brasil

Análises genéticas foram iniciadas no dia 18 deste mês e, além da Covid-19, passarão a ser estudados os vírus da Influenza e Dengue

Visando ampliar a Vigilância Genômica em Alagoas, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesau), por meio do Laboratório Central de Alagoas (Lacen/AL), está realizando, de forma integral, exames para detecção de vírus no Estado. As análises genéticas foram iniciadas no dia 18 deste mês e, além da Covid-19, passarão a ser estudados os vírus da Influenza e Dengue.

A vigilância genômica é um trabalho de rotina do Lacen/AL durante a pandemia, mas é intensificada durante os períodos em que surgem novas variantes. Em Alagoas, todas as amostras são processadas seguindo um mesmo critério nacional. E as informações estarão disponíveis no depósito de dados genéticos internacional.

O gerente do Lacen/AL, Anderson Brandão, enfatiza a importância de o Estado estar inserido na Rede de Vigilância Genômica do Brasil. “Agora, esse procedimento realizado no Estado irá trazer celeridade e maior conhecimento da situação de vigilância de uma forma mais assertiva e mais rápida. Iremos conseguir desde o início fazer o diagnóstico de um indivíduo e ir até o final dessa análise”, esclarece.

Anderson Brandão explica, ainda, que a análise genética dos vírus respiratórios serve para que se tenha um combate mais assertivo das novas variantes que circulam no Estado. “Essa análise serve primeiro para que a vigilância consiga estabelecer o que está circulando em Alagoas, quais são os vírus e suas variantes. Segundo, ela irá fornecer essas informações para os fabricantes das vacinas, possibilitando que eles promovam um upgrade nas vacinas e que elas sejam capazes de barrar a interrupção e que seja capaz de interromper a transmissão do vírus daquela variante viral que está acontecendo naquele ambiente ou período subsequente”, disse o gerente do Lacen/AL.

O secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, ressaltou que o fato de o Lacen-AL passar a integrar a Vigilância Genômica do Brasil representa um marco para a saúde pública de Alagoas. Isso porque, segundo reforçou o gestor da saúde estadual, o Laboratório de Saúde Pública do Estado estará contribuindo para combater, de forma ainda mais eficaz, a propagação dos vírus. “Por meio das análises realizadas, Alagoas irá subsidiar os laboratórios fabricantes de imunizantes a produzirem vacinas que combatam de forma eficaz os vírus circulantes. Com isso, iremos evitar, inclusive, a propagação de variantes, como temos verificado no caso da Covid-19”, ressaltou Ayres.