26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Mestre Edivar Vicente recebe a Comenda Lêdo Ivo

Assembleia debate o fortalecimento da Cultura e da Arte Popular em sessão proposta por Fátima Canuto

A Assembleia Legislativa realizou nesta segunda-feira, 23, uma sessão solene proposta pela deputada Fátima Canuto (MDB), para entrega da Comenda Lêdo Ivo ao mestre Edivar Vicente Feitosa, pelos relevantes serviços prestados à preservação e ao desenvolvimento da literatura, das artes e da cultura do Estado.

Nascido na cidade de União dos Palmares, mestre Edivar Vicente foi, ainda criança, para Santana do Mundaú. É um dos últimos mestres autênticos do Guerreiro Alagoano.

Nos anos 1980, passou a residir na cidade do Pilar, onde mantêm o Guerreiro Treme Terra Pilarense. “Quando o assunto é Guerreiro Alagoano, nosso homenageado valoriza a experiência dos mestres, mas também enxerga na juventude e nas novas gerações uma forma de não deixar o guerreiro acabar. E é assim que tem de ser”, destacou Fátima Canuto.

A deputada disse ainda que o mestre já brincou de vários personagens dentro do folguedo, como Capitão de Campo, Zabelê e o Mandú. Ela lembrou que, ao passar a residir na cidade do Pilar e conviver com antigos mestres, Edivar Vicente descobriu seu grande talento.

“Mestre Edivar é um patrimônio cultural do nosso Estado. Seu amor pelo folguedo é uma inspiração. Além de mestre, ele confecciona as bandeirinhas que enfeitam os tradicionais chapéus em forma de catedral, toca pandeiro, sanfona e violão. Precisamos manter viva a nossa cultura popular, a nossa tradição. Isso faz parte de quem nós somos, faz parte de nossa história”, afirmou.

Bastante emocionado, o homenageado, com 75 anos de idade, agradeceu a condecoração.

“Quero agradecer a esta Casa pela comenda, em nome da cultura alagoana. Tento manter o Guerreiro Treme Terra Pilarense num puxadinho lá em casa, com o objetivo de deixar viva a tradição que aprendi com meu pai, o mestre José Vicente Feitosa. Essa paixão pela cultura vem do sangue. Obrigado”, disse o mestre Edivar Vicente.

Também presente à sessão, o deputado Cabo Bebeto (PL) destacou a relevância do mestre Edivar na preservação da cultura no Estado. “Quero parabenizar a todos que estão aqui no plenário e a todos que fazem a cultura alagoana. Homenagem justa a quem ajuda a divulgar a história de nossos costumes”.

O presidente do Sine Pilarense, Sérgio Moraes, ressaltou a importância da homenagem na preservação e no desenvolvimento da cultura alagoana.

“O mestre Edivar é um dos mais autênticos e principais divulgadores do folguedo de nosso Estado, com seu Treme Terra. É um dia importante, quando a Assembleia Legislativa abre suas portas para ouvir os fazedores de cultura que geram renda e emprego, atrelada a educação e ao turismo alagoano”, afirmou.

Compareceram à sessão a presidente da Federação das Associações dos Artesãos do Espírito Santo, mestra Maria das Graças Reis Costa; o presidente do Fórum de Cultura Popular e Artesanato de Alagoas (Focoarte), João Vitor Lemos Viana; a vice-prefeita do município do Pilar, Ivanilda Rodrigues; a presidente da Federação dos Artesãos de Alagoas, mestra Vânia Oliveira; a gestora do Alagoas Feito a Mão, Daniela Vasconcelos; além de secretários municipais de Cultura e outros entusiastas da cultura alagoana.

Cultura

Imediatamente após a entrega da Comenda Lêdo Ivo ao mestre Edvar Vicente, a deputada Fátima Canuto (MDB) deu início à sessão especial para debater o “Fortalecimento da Cultura Popular e da Arte do Nosso Estado”, na manhã desta segunda-feira, 23, na Assembleia Legislativa de Alagoas.

Propositora de ambas as sessões, a deputada aponta que o principal propósito foi abrir o diálogo com a categoria, discutindo as políticas públicas necessárias para o fortalecimento do setor. Presente na sessão, o deputado Cabo Bebeto (PL) disse que hoje temos exemplos de vários idosos tentando manter nossa cultura viva. “Além de nos lembrar do passado, precisamos valorizar e fomentar a cultura de Alagoas. É preciso que, na prática, falemos menos e façamos mais”, afirmou o deputado.

“Alagoas é terra do Guerreiro, das Baianas, do Pastoril, do Bumba meu Boi, da Chegança, da Cavalhada, do Coco Alagoano. Do Artesanato, da Arte em Barro, das Rendas do Filé, do Bordado, do Sururu e de muito mais”, lembrou Fátima Canuto, ao listar a riqueza da cultura popular e afirmar que é preciso valorizar mais a cultura local e ouvir suas demandas.

Centro de Referência

Ao usar a palavra, Mestra Vânia, patrimônio vivo de Alagoas, declarou seu orgulho de pertencer ao Estado das maiores manifestações folclóricas do Brasil, mesmo sem um lugar para os artesãos. “Não há espaço permanente, como na Paraíba ou no Ceará. Precisamos de um Centro de Referência para expor nossa cultura”, disse a mestra.

Daniela Vasconcelos, gerente de Design e Artesanato da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), e que está à frente do Alagoas Feita à Mão, reforçou a importância do pedido de mestre Vânia, informando que o Governo do Estado está sempre trabalhando para transformar Alagoas em referência de arte popular.

Cultura

Durante a sessão, houve apresentação da Focuarte com Boi do Canário e Boi do Mirim. Ao fim, Fátima Canuto convidou todos os presentes a acompanharem os Bois Treme Terra e Canário, em cortejo, até a Feira de Artesanato, na praça Dom Pedro II, onde ocorreram apresentações culturais programadas pela Focuarte.