18 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Nide Lins lança nesta segunda-feira mais uma edição de Gastronomia Alagoana

Jornalista diz que se trata da gastronomia de tradição, de boteco, de cozinha de rua

Nide Lins: mais uma edição da gastronomia alagoana

A terceira  edição do  “Guia de Gastronomia popular alagoana”,  da jornalista Nide Lins,  está sendo lançado nesta segunda-feira, 21,pela Editora da Universidade Estadual de Alagoas, a Eduneal.

O evento está marcado para o Arquivo Público de Alagoas à rua Sá e Albuquerque, s/n, bairro central do Jaraguá, na tarde e noite de hoje.

“Publicação indispensável para quem almeja conhecer os sabores mais genuínos das terras caetés, a obra reúne 100 indicações para se deliciar com a tradicional comida alagoana e ainda conhecer as boas histórias que permeiam as receitas e os personagens que as produzem”, destaca reportagem da Agência Alagoas nessa quinta-feira (3).

Nide Lins explica que o livro “trata da gastronomia de tradição, de boteco, de cozinha de rua”. “A novidade desta terceira edição é que entraram aquelas pessoas que não têm um ponto fixo e fazem apenas entrega de comida, como o cuscuz da Helena, em Pão de Açúcar, e o cachorro-quente da Irmã, no centro de Maceió.”

Bares, botecos, restaurantes e comidas de rua são as estrelas do “Guia de Gastronomia popular alagoana”, que apresenta histórias e receitas da capital e dos municípios de Marechal Deodoro, Barra de São Miguel, Coqueiro Seco, Arapiraca, Paripueira, Japarantiga, Maragogi, São Miguel dos Milagres, Porto de Pedras, São Miguel dos Campos, Penedo, Água Branca, Delmiro Gouveia, Olho D’Água do Casado, Porto Calvo, Santana de Ipanema, Limoeiro de Anadia, Capela, Pão de Açúcar, Campo Alegre, Matriz do Camaragibe e Junqueiro.

“O guia tem esse objetivo, de mostrar lugares não muito conhecidos, não visíveis, lugares escondidos, lugares simples que muitas vezes as pessoas têm medo de entrar”, afirma a autora. A obra foi prefaciada pelo jornalista e apresentador de TV Zeca Camargo, que andou pelo sertão alagoano em viagens culturais do Museu no Balanço das Águas, dos artistas visuais Maria Amélia Vieira e Dalton Costa, e acabou se enredando na cultura e nas comidinhas locais apresentadas pela própria Nide Lins.

“Uma pessoa não se torna uma referência assim por acaso”, diz Camargo no prefácio do livro. “Todas as suas indicações, como fui conhecendo ao longo de uma amizade já de alguns anos, são preciosas e precisas. Nide sabe onde está o sabor, qual o caminho para explorar novos aromas, texturas – enfim, ela entende de como a gastronomia alagoana pode evoluir e ampliar o espaço que já conquistou no cenário nacional.”