24 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Policia

Operação desarticula organização criminosa com atuação na cidade de Marechal Deodoro

Oito pessoas foram presas e um suspeito foi morto em troca de tiros com a polícia

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) coordenou, na manhã desta terça-feira (21), uma operação integrada entre as Polícias Civil e Militar com o objetivo de prender integrantes de uma organização criminosa (ORCRIM). A operação foi denominada de Paraíso e cumpre 12 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão em Marechal Deodoro, Pilar e em alguns bairros de Maceió.

A operação é fruto de um trabalho investigativo realizado inicialmente pelo 17° Distrito Policial de Marechal Deodoro de forma integrada com DEIC e Secretaria de Segurança Pública (SSP). E contou com a parceria do Comando do Policiamento da Capital (CPC) e da 5° Companhia de Polícia Militar Independente (5ª Cia/Ind).

Os mandados, expedidos pela 17ª vara Criminal da Capital, foram cumpridos em vários bairros da cidade de Marechal Deodoro. Também foi cumprido mandado de prisão e busca e apreensão na cidade do Pilar e nos bairros Vergel do Lago e Jatiúca, em Maceió.

Oito pessoas foram presas na operação, que também apreendeu 50 gramas de maconha e um revólver calibre 38, todos encaminhados à DEIC. Durante o cumprimento dos mandados em Marechal Deodoro, um suspeito trocou tiros com a polícia, sendo baleado e socorrido imediatamente, porém não resistiu aos ferimentos.

De acordo com as investigações, a organização criminosa é liderada por três indivíduos: “Fantasma”, que se encontra no estado do Rio de Janeiro; “Bode”, que estava no Rio de janeiro e recentemente retornou a Maceió para passar o fim de ano; e “Adriano Imperador”, que se encontra no sistema prisional alagoano. Os três comandavam as ações criminosas remotamente e contavam com a contribuição de alguns gerentes para a manutenção do tráfico de drogas em Marechal Deodoro.

Vale destacar que algumas mulheres que também integram a organização criminosa eram usadas para receber depósitos bancários do dinheiro arrecadado na venda dos entorpecentes, que posteriormente era repassado para as lideranças. Essa ORCRIM contou com a ajuda de diversos indivíduos que eram responsáveis pela venda dos entorpecentes em várias regiões de Marechal Deodoro.

A operação ganhou o nome de “Paraíso”, pois as ações da organização criminosa aconteciam na cidade de Marechal Deodoro, que historicamente é conhecida pelas belezas naturais, mas infelizmente vinha sendo palco de ações criminosas perpetradas pela ORCRIM desarticulada.

Para o cumprimento dos mandados durante a operação integrada, foram empregados policiais militares do 1º e do 8º Batalhão, da 5ª Companhia Independente (5ª Cia/Ind), do Batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas (ROTAM), do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) e Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE). A Polícia Civil, por sua vez, empregou policiais do 17° DP de Marechal Deodoro, da Asfixia, da Seção de Capturas e do Tigre da GRE/DEIC. Houve, ainda, apoio do Grupamento de Operações Aéreas da SSP.

A população é grande parceira das forças de segurança no combate ao crime em Alagoas e pode contribuir com o trabalho das polícias realizando denúncias sobre homicídios, tráfico de drogas, roubos, organizações criminosas e outros crimes por meio do Disque Denúncia. As informações podem ser repassadas, de forma anônima e gratuita, por meio de ligações para o 181.