25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Primeira noite de desfiles no Rio já tem favoritas ao campeonato e rebaixamento

Imperatriz Leopoldinense, Beija-Flor e Acadêmicos do Grande Rio ficaram devendo

Na primeira noite do Grupo Especial do Rio de Janeiro, o destaque ficou para Salgueiro, Unidos da Tijuca e Unidos do Viradouro, que fizeram ótimos desfiles. Já a Imperatriz Leopoldinense, Beija-Flor e Acadêmicos do Grande Rio ficaram devendo. Já a Império Serrano tende a ser rebaixada. Acompanhe como foi:

Império Serrano

Com dificuldades financeiras, o Império Serrano, com o tema enredo “E a Vida, e a Vida o que é? Diga lá meu irmão!”, feito com base no sucesso de Gonzaguinha “O que é? O que é?”, abriu a noite. Apresentando muitos problemas, como alegorias e fantasias com sérios problemas de acabamento, o Império Serrano dificilmente conseguirá ficar no Grupo Especial.

Unidos do Viradouro

Voltando ao Grupo Especial depois de três anos de ausência, a Viradouro teve um carnaval ousado, criativo e colorido, conquistando o público e já sendo uma das favoritas ao título. Com o tema “Viradouro”, a escola chamou a atenção com o carro que representava “A Bela e a Fera”, se encantou com o navio fantasma do “Holandês voador” e delirou com o “Motoqueiro fantasma”.

Grande Rio

“Quem nunca…? Que atire a primeira pedra!” foi o tema da Grande Rio, que trouxe um enredo sobre os pecados do cotidiano e que traz um pedido de desculpas pelo ocorrido. Propício, pois a escola fez um desfile em que o enredo não foi compreensível, onde o conjunto alegórico apresentou-se com falhas visíveis de acabamento e em que várias alas desfilaram com fantasias incompletas.

A comissão de frente, por exemplo, que trazia um Moisés modernos com os 10 mandamentos em um tablet e dançarinos com emojis na cabeça, não conseguiu passar a mensagem e arrancou aplausos apenas quando as cabeça dos dançarinos voavam graças a drones.

Salgueiro

Com um enredo sobre o orixá Xangô, o Salgueiro teve o samba-enredo dos mais populares da temporada pré-Carnavalesca. A comissão de frente, que trouxe o ator Eri Johnson, arrancou aplausos e o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Sidclei e Marcella Alves, foram precisos. Porém, como algumas fantasias tiveram problemas de acabamento, isso poderá custar alguns décimos na apuração.

Beija-Flor

“Quem não viu, vai ver… as fábulas de um Beija-Flor” foi o tema da atual campeã, que veio com a proposta de homenagear os 70 anos da agremiação. Mas não foi o ideal, tornando o entendimento do enredo praticamente impossível sem a consulta ao roteiro de desfile. A evolução foi morna e irregular. Após a saída do primeiro setor, as alas começaram a apertar o passo e o último carro cruzou a avenida em menos de 20 minutos.

Imperatriz Leopoldinense

A Imperatriz falhou com o enredo “Me dá um dinheiro aí”, já nos primeiros momentos do desfile, quando o casal de mestre-sala e porta-bandeira Thiaguinho Mendonça e Rafaela Theodoro se apresentavam na primeira cabine de jurados, com o carro abre-alas empacado na área de armação. O espaço comprometeu a evolução da escola, que voltou a apresentar outras falhas ao longo do desfile. A escola deixou seus torcedores preocupados com um rebaixamento.

Unidos da Tijuca

Encerrando a noite, com o tema “Cada macaco no seu galho. Ó, meu pai, me dê o pão que eu não morro de fome”, a Unidos da Tijuca deu uma aula de evolução e canto. Muito forte no samba-enredo, fantasias e evolução, a Unidos da Tijuca credencia-se fortemente a disputar o campeonato.