28 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Renan: Bolsonaro vai responder pelo crime de prevaricação no caso Covaxin

Senador disse que agora a CPI quer as digitais do próprio Bolsonaro nas negociações da Covaxin

Renan: agora é pegar as digitais do Bolsonaro nas negociações da Covaxin.

presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve responder pelo crime de prevaricação após o término dos trabalhos da CPI da COVID no Senado Federal.

Quem afirma é o senador e relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL). Segundo ele as irregularidades no caso da compra da vacina indiana Covaxin são atestados do crime de responsabilidade de Bolsonaro, uma vez que o presidente teria sido alertado sobre os fatos e se omitiu.
O senador afirmou que Bolsonaro “praticou todo tipo de ilegalidade e de irregularidade” durante a pandemia da COVID-19, mas, no caso da Covaxin, ele recebeu o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor do Ministério da SaúdeLuis Ricardo Miranda, no Palácio do Planalto.
Eles teriam alertado o presidente sobre um superfaturamento na compra das doses, mas Bolsonaro afirmou, segundo os irmãos, de que era “coisa do Ricardo Barros”, também deputado federal e líder do governo na Câmara.
Renan Calheiros também disse que outras pessoas consideradas culpadas no relatório devem responder por crimes comuns e de responsabilidade. Bolsonaro também deve ser enquadrado nos agravantes, segundo o senador.
“Ele (Bolsonaro) praticou todo tipo de ilegalidade e de irregularidade. A CPI investigará em todas as direções, mas um dos desfechos mais prováveis é de que essas pessoas que serão punidas incorrerão em crimes comuns e de responsabilidade. O presidente da República pelo crime de prevaricação, no caso da Covaxin, na ocasião de receber os irmãos Miranda. Não há nenhuma dúvida sobre isso. O esforço que a CPI está fazendo é para comprovar suas digitais na própria negociação”, afirmou Calheiros, em entrevista ao “Roda Viva”, da “TV Cultura”, nesta segunda-feira (9/8).