29 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade

Tag: Ciro Nogueira

Centrão quer nomear o quinto ministro da Educação do governo Bolsonaro

Centrão quer nomear o quinto ministro da Educação do governo Bolsonaro

Blog, Marcelo Firmino, Política
O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e o presidente da Câmara Arthur Lira, ambos do PP e líderes do Centrão, agora miram o Ministério da Educação. O bloco político que hoje manda e controla as ações do governo Bolsonaro já tem dois nomes para substituir Milton Ribeiro, o ministro da propina de ouro do MEC. O primeiro é o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Ponte, que chegou ao cargo via Centrão. No fundo, ele já controla um orçamento de R$ 45 bilhões. Ponte, inclusive, foi chefe de gabinete de Nogueira, na Casa Civil. O segundo é Garigham Amarante Pinto, que é o diretor de Ações Educacionais do próprio FNDE. Se o fundo é considerado a galinha dos ovos de ouro, o ministério todo então tende a ser uma granja. Garigham é filiado ao PL,
Bolsonaro entrega quase R$ 150 bilhões do orçamento para controle do Centrão

Bolsonaro entrega quase R$ 150 bilhões do orçamento para controle do Centrão

Blog, Marcelo Firmino, Política
O Centrão está rindo à toa dentro do governo Jair Bolsonaro, com total controle das chaves dos cofres públicos, nessa reta final do governo Jair Bolsonaro. Tanto que o PP, de Ciro Nogueira e Arthur Lira, o PL, de Waldemar Costa Neto, e o Republicanos, do pastor Marcos Pereira, controlam neste 2022 quase R$ 150 bilhões do Orçamento da União. Juntos, os três partidos têm ainda 32 postos de comando dentro da administração de Jair Bolsonaro, além de ter beneficiado no final de 2021, senadores e deputados do gruo político com a bagatela de R$ 901 milhões do chamado orçamento secreto, que distribui o recurso sem exigir transparência alguma em seus gastos. Os dados foram revelados nesta segunda-feira, 24, pelo O Globo. E há um detalhe importante: A cifra de quase R$ 150 bilhões de
Centrão manda, Jair obedece e Fundão pode voltar a R$ 5,7 bi

Centrão manda, Jair obedece e Fundão pode voltar a R$ 5,7 bi

Blog, Marcelo Firmino, Política
O Brasil segue atualmente o rito de gestão, onde o presidente da República já não apita mais em nada. Pelo Contrário: O Centrão manda e Jair Bolsonaro obedece. O caso mais recente, além da passagem das chaves dos cofres da União para o Centrão, é a defesa que o governo passou a fazer dos R$ 5,7 bilhões do Fundo Eleitoral – aquele dinheiro para custear as campanhas políticas. Lá atrás, quando o Congresso aprovou o fundo de quase R$ 6 bilhões, Bolsonaro vetou para o jogo de cena natural, mas sabendo que seu veto seria derrubado até por que era o que havia sido combinado com aliados políticos dele. Derrubado o veto, aprovou-se então o fundo de R$ 4,9 bilhões no Orçamento de 2022. Só que o Centrão não ficou satisfeito e deixou isso claro ao Palácio do Planalto. O que fez então
Bolsonaro humilha Paulo Guedes e entrega controle do orçamento ao Centrão

Bolsonaro humilha Paulo Guedes e entrega controle do orçamento ao Centrão

Blog, Marcelo Firmino
Com a popularidade do governo Jair Bolsonaro em queda livre, o ministro da Economia Paulo Guedes caiu em desgraça e já não é mais visto nas reuniões palacianas. Contra ele há um processo de fritura em alto grau, coordenado por parlamentares aliados ao governo. Eles querem Guedes fora do comando da economia, antes das eleições deste ano. Aos colegas de sua própria equipe, o ex-superministro e "posto Ipiranga de Bolsonaro" tem dito que não será humilhado por políticos do Centrão. Mas, o fato é que Guedes já foi mais que humilhado, principalmente nesta sexta-feira, 15, quando o presidente da República retirou os poderes do ministro sobre a condução do Orçamento da União de 2022 e entregou o controle total ao líder do Centrão, senador Ciro Nogueira, hoje no comando da Casa Civil d
Orçamento secreto é uma botija de R$ 18 bi nas mãos de Lira e Nogueira

Orçamento secreto é uma botija de R$ 18 bi nas mãos de Lira e Nogueira

Blog, Marcelo Firmino, Política
O controle do Centrão no Orçamento da União, via emendas parlamentares no Congresso, soma no todo a cifra de R$ 33,8 bilhões. Dentro dessa mina estão os recursos das emendas distribuídas via relator geral RP9, um mecanismo criado pelo grupo politico, que foi batizado de "Orçamento Secreto". Pois bem, esse orçamento RP9, para muitos uma botija reluzente, é superior a R$ 18 bilhões. Só que o detalhe aí é quem tem a chave ou o código do "abre-te sésamo". Só mesmo os dois principais líderes do Centrão. O presidente do PP, Ciro Nogueira, hoje Ministro do Gabinete Civil, e o Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). A botija recheada deu super poderes aos líderes do Centrão e seu conteúdo tem servido para impulsionar candidaturas de aliados do governo em 2022. O
Após encontro com Bolsonaro sobre Covaxin, Ricardo Barros diz: ‘eu fico’

Após encontro com Bolsonaro sobre Covaxin, Ricardo Barros diz: ‘eu fico’

Blog, Marcelo Firmino
O líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), conversou com Jair Bolsonaro sobre o escândalo da vacina Covaxin e saiu do Palácio do Planalto dizendo que está "tudo tranquilo". A expectativa é se Bolsonaro tiraria ou não o deputado da liderança. Mas, Barros disse taxativamente à imprensa: "Eu fico". Resta saber que tipo de conversa Barros teve com o presidente da República. O deputado é um dos líderes do Centrão e é investigado há 3 anos, quando era ministro da Saúde no governo Michel Temer. Na época de ministro ele pagou  a Precisa - a mesma empresa da Covaxin - R$ 20 milhões  do Ministério da Saúde por medicamentos de alto custo que nunca foram entregues. O caso se arrasta no Ministério Público todo esse tempo. Agora, no caso Covaxin, o alvoroço tomou conta do Centrão, bloco
Centrão rifa Pazuello e quer indicar novo ministro da saúde

Centrão rifa Pazuello e quer indicar novo ministro da saúde

Blog, Marcelo Firmino
Cada vez mais forte dentro do governo, o Centrão agora parte célere para ocupar novos espaços na estrutura do primeiro escalão e seus líderes marcam como certa a ocupação do Ministério da Saúde. A ideia é tirar o general Eduardo Pazuello do cargo, com o argumento de insuficiência de desempenho. Ou melhor, incapacidade mesmo. O líder do Centrão, deputado Arthur Lira (PP-AL), atual presidente da Câmara dos Deputados, e o presidente do PP, senador Ciro Nogueira têm um nome para ser apresentado, mas no bloco ainda não há consenso. Se dependesse apenas de Lira e Ciro, o deputado federal Luiz Teixeira Júnior (PP-RJ), mais conhecido como Doutor Luizinho, assumiria amanhã o ministério. Só que o líder do governo Ricardo Barros (PP-PR) é candidatíssimo ao cargo de ministro. Já disse