20 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Após Queiroga, Eduardo Bolsonaro e ministra Tereza Cristina testam positivo para Covid

Deputado filho 03 do presidente acompanhou comitiva na ONU, nos EUA, e está isolado após ministro da Saúde confirmar infecção

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) recebeu diagnóstico de Covid-19 nesta sexta-feira (23). O diagnóstico foi confirmado pelo próprio filho do presidente Jair Bolsonaro no portal R7. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), também confirmou, em suas redes sociais, a infecção.

Eduardo integrou a comitiva do presidente Bolsonaro que viajou a Nova York para participar da Assembleia-Geral da ONU e todo o grupo que esteve nos Estados Unidos foi colocado em isolamento, por recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Isso por causa do diagnóstico positivo do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O filho 03 do presidente informou que fez o teste na quinta-feira (23) e o resultado saiu hoje. Segundo ele, esta é a sua primeira infecção de Covid-19 diagnosticada nele.

“Na live de ontem, JB (Jair Bolsonaro) disse que duas pessoas, que são conhecidas da população, testaram positivo. Certamente, eu sou uma delas. A outra não sei quem é”. Eduardo Bolsonaro ao R7.

A segunda pessoa, tudo indica, é Teresa Cristina. Já o presidente Bolsonaro deve realizar um novo teste RT-PCR no fim de semana e sair do isolamento se não for detectada a presença do vírus.

Em transmissão ontem nas redes sociais, claro, ele usou os diagnósticos para voltar a desacreditar os imunizantes, mas não citou quem havia testado positivo para Covid.

Leia mais: Prefeito de NY dá a dica: não seja um Jair Bolsonaro
Infecção no vacinado Queiroga leva bolsonaristas a questionarem medidas contra Covid-19

“Vou amanhã ligar para elas, para elas divulgarem. Mostrar que vacinas tomaram, para a gente realmente ter um protocolo que funcione”. Jair Bolsonaro, presidente.

Vale lembrar que de acordo com especialistas nenhuma vacina disponível no país é 100% capaz de conter e impedir a contaminação pelo vírus. Apesar disso, a imunização completa pode minimizar a gravidade dos efeitos do coronavírus.