28 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Blog

Bairro do Pinheiro merece respeito e transparência: contra o sigilo e terror

O sigilo decretado nas investigações sobre os abalos e tremor de terra no bairro do Pinheiro não pode ser tratado como um dogma processual. O próprio Ministério Público Federal (MPF) já percebeu isso e avalia a possibilidade de quebrá-lo.

A quebra do sigilo também interessa a vários escritórios de advocacia contratados por famílias que já se sentem prejudicadas com a onda toda que se criou em torno do bairro e dos imóveis atingidos pelo fenômeno, que, a rigor, ainda não se sabe se é tão natural assim, graças exatamente ao sigilo imposto.

É fundamental a transparência no caso, doa a quem doer. Se é um fenômeno da natureza, que o poder público se apresente e apoie as comunidades prejudicadas. Nada mais justo.

Se os abalos e tremores que afundaram ruas e racharam paredes de prédios têm outras causas, ou mais precisamente foram provocados por terceiros, que a justiça faça valer a proteção necessária a todos os prejudicados e puna os responsáveis.

A questão é: quanto mais negam informações concretas aos verdadeiros interessados, mas disse me disse aparece no rol das especulações, diante de um caso sabidamente grave.

As imagens que correm as redes sociais conspiram contra a tese do “fenômeno da natureza”. Os gráficos  que aparecem a cada discussão tendem a alimentar as causas judiciais. Como neste caso abaixo:

Nesta imagem que corre as redes sociais, a área situada entre as linhas paralelas seria a de maior risco. Os pontos vermelhos e as marcações amarelas corresponde a poços de extração. Se são responsáveis ou não que os laudos apontem.

Se é ou não uma jogada causídica que as instituições responsáveis digam diretamente o que há nessa história toda, uma vez que estudos foram feitos e todos sabem que não é o bairro do Pinheiro que está se acabando como um todo. Há apenas uma área em questão que foi atingida pelos abalos e, nesse caso, fica muito mais fácil do problema ser identificado.

O que não vale e nem ajuda é autoridade pisando em ovos, é gente pensando em barganha e outros tantos querendo causar o terror indevidamente. Inclusive nós da mídia.

A sensatez exige transparência, responsabilidade e a imediata solução do problema.