10 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Ceará: 52 presos são suspeitos por onda de ataques

Ministro da Justiça, o ex-juiz federal Sergio Moro, autorizou o envio de 300 homens da Força Nacional de Segurança para o Ceará

O Ceará vive uma onde de ataques que já duram três dias e os principais suspeitos de coordenar os crimes são presidiários. Segundo o secretário da Segurança, André Costa, 52 detentos haviam sido indiciados por desobediência, resistência e motim até ontem (3). Outros 250 também devem ser indiciados.

No CPPL 3 (Casa de Privação Provisória de Liberdade 3) estão presos membros da facção paulista PCC (Primeiro Comando da Capital). Nos CPPL 1 e 4, do CV (Comando Vermelho). E no CPPL 2, membros da GDE (Guardiões do Estado). Nas quatro unidades, há presos também que não são ligados a facções.

Desde a noite de quarta (2), Fortaleza e região metropolitana sofreram 39 ataques, entre eles, 16 incêndios a veículos, incluindo ônibus, e tentativas de explosão de uma delegacia e de um viaduto.

Força Nacional

O ministro da Justiça, o ex-juiz federal Sergio Moro, autorizou, nesta sexta-feira (4), o envio de 300 homens da Força Nacional de Segurança para o Ceará. De acordo com o ministério, a Força Nacional irá atuar por 30 dias no estado. A tropa deve ir ainda nesta sexta para o Ceará. Caso necessário, o prazo de atuação da Força Nacional poderá ser prorrogado.

O governador Camilo Santana (PT) já havia anunciado, nesta quinta-feira (3), medidas adotadas contra os grupos criminosos, como a nomeação imediata da turma de 220 novos agentes penitenciários, antes prevista para março e de novos 373 novos policiais militares.