24 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Deputados qualificam guerra judicial contra eleições como golpe contra o Estado

Ações judiciais ligados ao senador Rodrigo Cunha e ao presidente da Câmara, Arthur Lira, impedem as eleições indiretas na Assembleia Legislativa

Deputados estaduais alagoanos criticaram, nesta terça-feira (03), a série de ações judiciais movidas pelos partidos ligados ao senador Rodrigo Cunha (União Brasil-AL) e ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), para impedir as eleições indiretas ao governo do Estado de Alagoas.

A eleição está suspensa desde domingo, por decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais: União Brasil e MDB pedem para auxiliar STF no processo da eleição indireta de AL

Para o deputado estadual Bruno Toledo (MDB), as ações só visam postergar a escolha do novo governador com objetivo eleitoreiro e já provocam graves ofensas à administração pública.

“O Estado está parado, porque o caos interessa ao grupo de Arthur Lira e Rodrigo Cunha. É um golpe contra o Estado”.

O deputado Silvio Camelo (PV) apontou que a judicialização promovida pela oposição trava o Estado.

“A legislação é bem clara. A demora causa prejuízos, por atrasar obras estruturantes como a do Aeroporto de Maragogo, a manutenção de hospitais, como por exemplo a compra de medicamentos, licitações e o fluxo de repasses financeiros aos municípios. É preciso uma solução urgente para o Estado não parar”.

Já o deputado estadual Ronaldo Medeiros (PT) relatou que o Parlamento, seguindo a Constituição, busca evitar a descontinuidade de uma gestão governamental que vem mudando Alagoas.

“Essa turma joga conforme seus interesses. No passado, defendia o voto aberto porque era conveniente; agora ocupa a Justiça em busca do voto secreto, agindo de madrugada. Se a legislação estava errada, por que esperar tanto e ajuizar ações às vésperas das eleições, se não fosse para tumultuar”?

Má-fé

Ao Broadcast Político, o presidente do Poder Legislativo alagoano, deputado Marcelo Victor (MDB), disse que Arthur Lira quer tumultuar o processo tentando impedir as eleições indiretas para governador de Alagoas, com objetivo eleitoreiro.

“Condeno veementemente a ação do partido do presidente da Câmara. Para mim, é incoerente um deputado buscar que o Parlamento não se manifeste pelo seu voto. Isso é um absurdo”.

Para entender

A eleição indireta em Alagoas estava prevista para acontecer na última segunda-feira (02). Sua realização se tornou necessária após a renúncia do ex-governador Renan Filho, que deixou o cargo para concorrer ao Senado em outubro. O cargo de vice ficou vago após Luciano Barbosa renunciar para assumir a Prefeitura de Arapiraca.

O primeiro na linha de sucessão era o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Victor, que declinou para poder concorrer à reeleição. Com isso, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Kléver Loureiro, assumiu por 30 dias, como prevê a Constituição do Estado de Alagoas.