21 de janeiro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Descontrolado, Bolsonaro manda jornalistas calarem a boca e nega interferir na PF

Presidente negou que tenha ‘pedido a cabeça’ do superintendente da PF no RJ

Na manhã desta terça (5), o presidente Jair Bolsonaro negou que tenha ‘pedido a cabeça’ do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Só que ao rebater a afirmação da Folha de S.Paulo, atacou a imprensa.

Na saída do Palácio da Alvorada, ele não respondeu perguntas, gritou, fez seus apoiadores se inflamarem e mandou jornalistas calarem a boca.

Interferência

A superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro é um foco de interesse da família Bolsonaro. O comando da regional já havia sido motivo de impasse entre o presidente e o ex-ministro Sergio Moro.

O ex-juiz da Lava Jato demitiu da chefia do Ministério da Justiça e Segurança Pública e acusou Bolsonaro de impor mudanças na estrutura hierárquica da PF por desejo pessoal:um inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) foi instaurado para apurar se houve irregularidade.

Bolsonaro atropelou o então diretor-geral da instituição, Maurício Valeixo, e anunciou a substituição do comando da superintendência fluminense, algo que ainda estava sendo discutido internamente.

Valeixo foi o pivô da saída de Moro, pois Bolsonaro exonerou o delegado contra a vontade do ex-ministro. No lugar, ele tentou nomear um amigo pessoal, Alexandre Ramagem. O ato, no entanto, foi barrado por liminar do ministro do STF Alexandre de Moraes.

Assim que assumiu o cargo de diretor-geral, o substituto de Ramagem, Rolando Souza, determinou a troca de comando no Rio. Carlos Henrique Oliveira, que estava no exercício da função, foi convidado para ser o diretor-executivo, número dois na hierarquia do órgão.

E Bolsonaro diz que não interfere na PF.