29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Diretora da Precisa Medicamentos fica em silêncio na CPI e Aziz suspende sessão

Emanuela Medrades, afirmou na CPI da Pandemia que se considera investigada e por isso usará seu habeas corpus obtido no STF

A diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, afirmou na CPI da Pandemia que se considera como investigada e por isso, e a partir de Habeas Corpus obtido no STF, permanecerá em silêncio na comissão.

“Quem me tratou primeiro como investigada foi essa CPI que quebrou os meus sigilos e deixou expresso requerimento a minha condição de investigada. Eu já prestei depoimento na Polícia Federal sobre os fatos investigados, já entreguei documentos perante as autoridades investigativas, a CGU, ao TCU e também a essa CPI e, portanto, por orientação dos meus advogados, eu vou permanecer em silêncio”. Emanuela Medrade, diretora da Precisa.

Senadores argumentaram que Emanuela poderia responder perguntas que não caracterize “autoincriminação”. Entretanto, sua defesa afirmou que não responderia nenhuma pergunta, nem mesmo as que não a incriminaria.

Alguns pediram voz de prisão dela, mas o presidente da CPI, o senador Omaz Aziz, suspendeu a sessão e pediu um requerimento no STF, para ver se ele pode falar alguns assuntos.

A Precisa Medicamentos atuou como intermediária na negociação da vacina indiana Covaxin com o Ministério da Saúde.