25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Laranjas: Ministro do Turismo foi exonerado, mas Onyx promete retorno

Marcelo Álvaro Antônio repassou R$ 279 mil a quatro candidatas que tiveram menos de 2 mil votos

Em ato assinado em conjunto com o ministro Sergio Moro (Justiça), o presidente Jair Bolsonaro exonerou Marcelo Álvaro Antônio (PSL) do cargo de ministro do Turismo.

Nesta segunda, a Folha revelou que o ministro, deputado federal mais votado em Minas, patrocinou um esquema de candidaturas laranjas que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete. Ele mesmo, presidindo o PSL de Minas, repassou R$ 279 mil a quatro candidatas, percentual mínimo exigido pela Justiça Eleitoral (30%) destinado ao fundo eleitoral a mulheres candidatas.

Apesar de figurar entre os 20 candidatos do PSL no país que mais receberam dinheiro público, elas tiveram desempenho insignificante. Juntas, receberam pouco mais de 2.000 votos, um indicativo de candidaturas de fachada, em que há simulação de alguns atos reais de campanha, mas não empenho efetivo na busca de votos.

O próprio vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que o caso deve ser investigado. Segundo ele, se os órgãos de investigação confirmarem a existência da irregularidade em relação ao ministro, trata-se de uma denúncia grave.

Onyx promete volta

Apesar da denúncia de laranjas (mais uma no governo de incorruptíveis), o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que Marcelo Álvaro retornará ao posto na Esplanada após cumprir a formalidade de assumir o mandato de deputado federal na Câmara: “A exoneração é para tomar posse como deputado. Ele volta após as formalidades da Câmara dos Deputados”.

A assessoria do exonerado informou ainda que ele não havia tomado posse na Câmara porque estava de licença médica. E segundo a Casa Civil da Presidência, o ministro deve retornar ao cargo até o final da semana e que é praxe o ministro da Justiça assinar atos dessa natureza.

Por meio de assessoria, o ministro Marcelo Álvaro Antônio se defendeu:

“A distribuição do fundo partidário do PSL de Minas Gerais cumpriu rigorosamente o que determina a lei e refuta veementemente a suposição com base em premissas falsas de que houve simulação de campanha com laranjas no partido.” Marcelo Álvaro Antônio (PSL), exonerado do ministério do Turismo.