25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Blog

Melhor escolher seu candidato; senão, pode JAIR se acostumando

Por Wagner Melo, jornalista

Haja suor e sola de sapato quando a campanha eleitoral deste ano ganhar as ruas. O eleitor está muito desconfiado, como nunca esteve nas últimas cinco eleições, e deve ser difícil convencê-lo, segundo aponta a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira – Eleições 2018, divulgada nessa quinta-feira (2) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com o Ibope.

O percentual de quem não tem um nome para votar é de colossais 59%, ou seja, entre os entrevistados 31% disseram que vão votar em branco e 28% não souberam ou não quiseram responder à pergunta, o que indica indecisão, segundo a CNI. Se continuar assim, o futuro do Brasil será definido pela minoria dos votantes.

Não é segredo que a indignação com a corrupção (que é a mesma de sempre, apenas veio à tona com o combate à censura e o acesso facilitado à informação) e o descrédito dos políticos contribuem para esse quadro.

“O eleitor não encontrou aquele candidato que ele sonha. A decisão vai acontecer muito mais próxima da eleição que nas eleições anteriores. A gente percebe que a maioria dos eleitores não conhece os candidatos e suas propostas. Até entre os que já escolheram candidatos, ainda há alguma indecisão”, declarou o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Preocupante também é a parcela de eleitores cabeças-dura, que ao invés de procurar soluções racionais e efetivas para os problemas do País, se apega a discursos mágicos e populistas. Jair Bolsonaro é o candidato com maior número de eleitores convictos de que não mudarão de voto, entre os quatro primeiros colocados na pesquisa. Frise-se: em cenário sem o ex-presidente Lula.

Dos entrevistados que disseram que vão votar em Jair, 34% disseram que a decisão é definitiva e que não mudará de jeito nenhum, uma paixão inexplicável. Os percentuais dos que estão convictos caem para 26% no caso de Ciro Gomes, 23% entre os eleitores de Geraldo Alckmin e 22% dos eleitores da Marina.

Mesmo preso e praticamente fora da disputa, Lula ainda tem muita força. Se for candidato, o ex-presidente lidera com 33% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro (15%) e Marina (7%). Ciro e Alckmin aparecem com 4% das intenções. Sem Lula na disputa, os melhores colocados são, Jair Bolsonaro (17%), Marina Silva (13%), Ciro Gomes (8%) e Geraldo Alckmin (6%).

A pesquisa ouviu 2 mil pessoas entre os dias 21 e 24 de junho, em todo o país. E traça um perfil do eleitor de cada candidato. Você pode consultá-la, na íntegra, AQUI.

Melhor quem está do lado do bem, independentemente de bandeira partidária, começar a se posicionar, pois o risco de uma tragédia passa a ser real.