9 de dezembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

“Pênis” que Capitã Cloroquina viu na Fiocruz era logo de 120 anos

Secretária bolsonarista confirmou na CPI áudio em que ela criticava Fundação por ‘pagar pra cinco mil pessoas virem a Brasília para tirar a roupa, andar nu, fazer cocô em crucifixo’

Em depoimento na CPI da Pandemia, a Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde no governo Bolsonaro, Mayra Pinheiro, confirmou a veracidade de um áudio, atribuído à ela, com duras críticas à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O senador Raldonfe Rodrigues (Rede) chegou a reproduzir o áudio infame, em que Mayra, vulgo Capitã Cloroquina, dizia que a  instituição tem um “pênis” em sua porta e é pautada somente por questões relativas a minorias.

Quando perguntada pelo senador e vice-presidente da comissão, Mayra respondeu que a entidade é respeitada e ajuda muito o Ministério da Saúde. Logo depois, o parlamentar reproduziu o áudio:

“Eles têm um pênis na porta da Fiocruz. Todos os tapetes das portas são a figura do Che Guevara, as salas são figurinhas do Lula Livre, Marielle Vive. A gente paga pra cinco mil pessoas virem a Brasília para tirar a roupa, andar nu, fazer cocô em crucifixo”. Mayra Pinheiro.

Randolfe questionou se a secretária ainda pensa o mesmo e ela rebateu:

“Esse áudio foi uma resposta a um colega, não foi agora enquanto eu estou como secretária de governo e houve um vazamento. Nessa época, isso era a constatação de fatos. Existia um objeto inflável em comemoração a uma campanha na porta da entidade”. Mayra Pinheiro.

Randolfe lembrou que a Fiocruz é responsável pelas vacinas da AstraZeneca.

Não era pênis

O pênis que só Mayra viu na fundação não era pênis (nem tênis), mas na verdade o logotipo de aniversário da Fiocruz de 120 anos, como mostra o site oficial da entidade:

“Os 120 anos da Fundação Oswaldo Cruz foram marcados por muitos acontecimentos e feitos grandiosos, que mudaram a vida da população brasileira e da ciência mundial. Durante esse longo período, a Fiocruz reafirmou o seu compromisso com a pesquisa científica, com a inovação e a defesa do acesso universal à saúde, para dar respostas às demandas da sociedade. As intensas e cada vez mais aceleradas transformações sociais do mundo desafiam a Fiocruz e, ao mesmo tempo, são o combustível para a instituição reforçar sua vocação pioneira na área da saúde e da ciência. Nestes 120 anos, muitos desafios construíram a trajetória da instituição e continuarão a escrever novos capítulos da história da Fiocruz”. Fiocruz.