9 de dezembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Blog

Seria Manaus o nosso campo de experimentos nazistas?

Mengele teria orgulho do governo brasileiro | Divulgação

Se as declarações do vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida Filho (sem partido) à Folha de S. Paulo forem comprovadas, é fato: o governo do extremista de direita Jair Bolsonaro repetiu experimentos nazistas no Brasil.

Segundo ele, o alinhamento do governador Wilson Lima (PSC) com o presidente transformou Manaus em um laboratório gerador da nova cepa de Covid-19. Como resultado, milhares de pessoas morreram, assim como nos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

Os políticos cristãos queriam provar que a tal da imunidade de rebanho seria a saída para combater o novo coronavírus. Seria uma forma de conviver com a doença sem “prejudicar a economia”. Olhem no que deu.

Enquanto a ciência e as nações que deram certo mostram que a vacinação e o isolamento social são a solução para o problema, os negacionistas aqui teriam facilitado a morte de milhares de manauras por pura teimosia, birra de quem se considera um messias salvador da pátria.

Nos campos alemães, um dos mais famosos médicos nazistas, Joseph Mengele (aquele que viveu um tempo e morreu velhinho aqui no Brasil) fazia experiências macabras com humanos que eram considerados “inferiores”.

Entre as maldades, ele injetava tinta nos olhos de crianças para testar mudanças na coloração, amputava membros para checar cicatrizações, fazia transfusões de sangue experimentais, matava jovens com clorofórmio no coração para realizar necropsias reveladoras, costurava pessoas para testar siameses artificiais e tirava o alimento de bebês para checar o tempo que ele levava para morrer (Fonte: Aventuras na História).

Aqui, a experiência foi expor a população a um vírus letal, que a cada onda insere um grupo social no grau de letalidade mais elevado. Sem contar que a incompetência dos governos federal e estadual levou muitos a morrerem asfixiados pela falta de oxigênio nos hospitais.

Mengele ficaria orgulhoso do que aconteceu no último país em que viveu. Para não ser injusto, ressalto aqui que o alemão, hoje, dá sua mais importante contribuição à ciência: sua ossada é utilizada nas aulas de Medicina da USP.

Pois é, caro leitor. Nazista bom é nazista…

One Comment

Comments are closed.