21 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Cotidiano

Suicídio: Por que os jovens estão tirando a própria vida?

Brasil tem média de 1 suicídio a cada 46 minutos: é a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos

Na noite de domingo (25), uma estudante de jornalismo da UFAL foi internada no HGE (Hospital Geral do Estado) após ter ingerido medicamentos. Ela ligou para amigos pedindo socorro, foi atendida e passou por um procedimento de lavagem estomacal. Mas depois, às 5h desta segunda-feira, ela se jogou de um dos prédios do hospital.

Ariane Félix era apaixonada pelo curso. Estudante na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), demonstrava e agia com muito interesse para estagiar como jornalista e sempre estava em contato com professores e profissionais do campo de atuação. Mas como milhões de brasileiros, ela era acometida pela depressão e infelizmente foi mais uma brasileira que perdeu a vida nesta batalha.

Mal do século

“A depressão é uma doença do pensamento”, afirma o jornalista e psicólogo Carlos Gonçalves, que lembra que o distúrbio não tem distinção por idade, cor ou classe social. Hoje são 350 milhões de pessoas deprimidas no mundo todo e até 2030 mais pessoas ainda serão afetadas, se tornando o mal do século, que  pode afetar a qualquer um de nós em um de seus três níveis:

“O primeiro é a leve, que muitas pessoas confundem com tristeza. Depois há a moderada, que atrapalha a rotina da pessoa, tirando um pouco da motivação do dia-a-dia. Ela vai ao colégio, vai trabalhar, mas falta algumas vezes. E tem a mais grave. Esta é a mais pesada, que paralisa as pessoas totalmente, tirando não só totalmente sua vontade de ir para escola ou trabalho, por exemplo, mas até mesmo de ir tomar banho ou sair da cama. Qualquer atividade rotineira se torna um sacrifício”. Carlos Gonçalves, psicólogo.

Um quadro depressivo, entretanto, só pode ser constatado quando há um sentimento de tristeza contínuo, sem motivo aparente, por pelo menos 15 dias. O diagnóstico depende da avaliação do histórico de doenças psiquiátricas da família, e ainda não há exames clínicos, como os de sangue ou ressonância magnética, capazes de identificar o transtorno.

Segundo Gonçalves, o ideal seria procurar ajuda antes do transtorno chegar em sua fase mais aguda, que vem afetando as pessoas entre os 14 e 29 anos, a idade mais produtiva do ser humano. Com muita pressão acadêmica e profissional, a depressão vem cada vez mais afetando os jovens no Brasil e no mundo.

Os jovens passam por várias situações novas e pressões sociais quando se aproximam da idade adulta e, para alguns, este período de transição é muito difícil. Segundo o psicólogo, as crenças negativas na depressão são levadas como fato real: toda crítica negativa se torna imutável, paralisando até mesmo a vontade de tentar do indivíduo. O medo com a certeza de fracassar trava os depressivos.

As redes sociais são um dos grandes motivadores de aumento de ansiedade e de depressão, seja por comentários maldosos ou as fake news, que viralizam instantaneamente. As redes também podem afetar a autoestima de um jovem que percebe que os posts de seus colegas têm muito mais curtidas do que os dele.

“A felicidade acontece na esquina, em momentos aleatórios. É um erro colocar ela como meta, tentar planejar, e é exatamente isso o que acontece nas redes sociais. As pessoas usam máscaras para atingir constantemente uma felicidade que não existe, expondo uma realidade falsa, usando máscaras para esconder os sentimentos. E olhar outros por um janela digital traz dor quando comparado com a realidade”. Carlos Gonçalves.

Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, acessou dados de 176.245 adolescentes de 12 a 17 anos e de 180.459 adultos com 18 a 25 anos, isso no período entre 2005 e 2014 e a taxa de jovens que reportaram ter sofrido algum episódio de depressão subiu 37%. Uma a cada seis meninas alegou manifestar o quadro no último ano. O que não é exclusividade dos americanos.

Nos casos mais graves, a depressão pode levar ao suicídio, que já é a segunda principal causa de morte em jovens entre 15 e 29 anos e estes são alguns dos sinais que indicam o risco de suicídio em jovens com depressão:

  • Falar sobre morte, suicídio ou provocar ferimentos em si próprio;
  • Pânico ou ansiedade crônicos;
  • Insônia constante;
  • Alterações na personalidade ou aparência;
  • Alterações nos hábitos de sono ou alimentares;
  • Baixo rendimento escolar;
  • Distribuir objetos pessoais.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o suicídio representa 1,4% de todas as mortes em todo o mundo, tornando-se em 2012, a 15ª causa de mortalidade na população em geral. Entre os jovens de 15 a 29 anos, é a segunda principal causa de morte e só perde para causas externas como homicídios e acidentes climáticos.

Nem todos os casos de suicídio, entretanto, estão ligados à depressão. Nos casos mais graves, os adolescentes deprimidos podem falar ou pensar sobre a morte. A falta de esperança que é muito encontrada em pessoas deprimidas é um dos fatores psicológicos mais correlacionados com a ideação suicida. E é neste ponto que as tendências negativas os afetam: eles não tem mais esperança de melhorar.

Depressão

Não existe uma única causa para a depressão e esse distúrbio deve ser encarado seriamente em todas as etapas, pois pode interferir diretamente no dia a dia, nas relações sociais e no bem-estar geral.

Ela pode ser provocada medicamentosamente, até mesmo um componente genético familiar e dependência de drogas e álcool também seriam fatores para explicar a depressão, além da ansiedade.

“As pessoas ansiosas, que tem tanto medo do futuro a ponto de não viverem no presente e encarar a realidade, vivem em um mundo de pensamentos destrutivos. E depressão é uma doença do pensamento”. Carlos Gonçalves.

A depressão normalmente se dá com a combinação de diversos fatores internos e externos, como a dificuldade em lidar com situações desafiadoras e até a desregulação dos hormônios que controlam as emoções. Não há consenso ainda sobre o que seria predominante.

As cobranças do mercado acadêmico e de trabalho, como ser uma pessoas bem sucedida, ocasionam isso também. Os sintomas da depressão em jovens geralmente são semelhantes aos dos adultos deprimidos:

  • Falta de entusiasmo, energia ou motivação;
  • Afastamento ou isolamento de atividades sociais;
  • Confusão ou dificuldade em tomar decisões;
  • Baixo rendimento escolar;
  • Problemas alimentares;
  • Insônia e distúrbios de sono;
  • Baixa autoestima ou sensação de culpa;
  • Abuso de álcool e/ou drogas;
  • Ansiedade ou medos;
  • Inquietação ou irritabilidade.

Uma estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que pelo menos 30% da população mundial sofrerá algum episódio de depressão ao longo da vida. E embora esse tipo de doença seja habitualmente diagnosticada na vida adulta, estudos apontam que aproximadamente 50% dos adultos portadores de depressão relataram início dos sintomas antes dos 18 anos.

Números

Mais de 350 milhões de pessoas são afetadas pela depressão no mundo e, no Brasil, cerca de 12 milhões. Nos dados mais recentes que o Ministério da Saúde possui, liberados em 2018, o Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016. É uma média alarmante de uma pessoa cada 46 minutos. No mundo, acontece um suicídio a cada 40 segundos.

O suicídio já é a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil. Entre os homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo mais comum. Entre as mulheres, o oitavo. Entre as crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, o suicídio é a sétima causa de morte.

O Ministério da Saúde ainda não tem uma estatística atualizada sobre o casos de suicídios de jovens no País, mas as estimativas da própria instituição, bem como de ONGs que atuam na área é de que os números são crescentes.

Eis, portanto, uma alerta geral à sociedade que vive hoje o culto ao próprio umbigo e à intolerância, sem qualquer sentimento solidário ou preocupação com o bem estar dos semelhantes. Não é, também, por outra razão que a depressão é considerada o mal do século.