27 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Blog

Verbas da Covid-19 viram refeições fartas nas mesas dos militares

As mamães sempre dizem que crianças que comem bem ficam fortinhas e têm mais saúde.

Os militares brasileiros seguem isso à risca e “raspam” o prato, segundo aponta o Tribunal de Contas da União (TCU). Foram cerca de R$ 500 mil gastos em 2020 com itens alimentícios de luxo, como picanha e filé mignon.

O que eles não aprenderam com mamãe é que é feio pegar o que pertence aos amiguinhos. O banquete foi financiado com recursos destinados ao enfrentamento à Covid-19, que já matou 619 mil brasileiros.

Itens considerados não essenciais, como bacalhau, salmão, camarão e bebidas alcoólicas também entraram na conta, segundo a Secretaria de Controle Externo de Aquisições Logísticas (Selog).

Na cara de pau, o Ministério da Defesa informou que os militares atuaram no combate à pandemia. O relatório que aponta os gastos é “preliminar” e “ainda será apreciado por ministros do Tribunal de Contas da União, no qual esta pasta já apresentou os devidos esclarecimentos”.

Na era da impunidade em que o Brasil se atolou, com aparelhamento nítido do Estado, o banquete deve ter como sobremesa pizza de sorvete.