29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Vídeo: Cidadão de bem (armado) reage da pior forma em situação com reféns

Mesmo com reféns expostos em um cordão humano, um senhor se esconde atrás de um veículo e atira duas vezes há dezenas de metros de distância

Uma das propostas do atual líder para presidente, nas pesquisas de intenções de votos, é liber o armamento para o cidadão de bem proteger se proteger. Além de colocar a culpa na segurança nacional e taxar policiais de incompetente, a ideia de dar mais armas para garantir mais segurança não tem sentido.

Ao menos, há coerência. Em entrevista, o candidato já previa a necessidade de uma guerra civil. Mesmo que morram 30 mil inocentes, pois guerra sempre tem morte de inocente. E dentre vários exemplos, o caso que aconteceu nesta sexta-feira em Santana da Boa Vista, no Sudeste do Rio Grande do Sul, ilustra bem a situação.

Cordão humano de reféns

Uma agência bancária do Banrisul foi tomada por assaltantes armados, por volta das 11h30, em um carro vermelho. Eles fizeram um cordão humano com as pessoas que estavam no banco e levaram duas como reféns, que já foram liberadas. Não houve explosão, nem tiros dentro da agência. Na hora de deixar o local, o grupo deu um disparo para o alto e fugiu em direção a Encruzilhada do Sul.

Entretanto, mesmo com reféns expostos em um cordão humano montado pelos criminosos, um homem se esconde atrás de um veículo e atira duas vezes contra os bandidos. Era um senhor, idoso, há dezenas de metros de distância. Para desespero das testemunhas que gravava em um celular. “Não atira, vai pegar em refém”.

Quem filmou, teria identificado o atirador como um militar. E se militar teve esse despreparo na hora de atirar, imagina “o cidadão de bem”? Nos próximos anos, o brasileiro vai ter que portar uma arma até na hora de comprar pão.

E se for reagir, pode ferir outros ou mesmo ser confundido: um cabo da Polícia Militar do Ceará morreu após ser baleado por outros PMs que o confundiram com um assaltante, na noite desta terça-feira, em Fortaleza. A paisana, Paulo Alberto Marques Albuquerque reagiu ao assalto. Foi baleado pelos colegas.

Isso estar acontecendo é surreal.

Armamento

As transações na Bolsa de Valores da fabricante de armas de fogo Forjas Taurus aumentaram de volume em mais de 50 vezes nos últimos dois meses. No mesmo período, o valor dos papéis preferenciais mais que dobrou e o de mercado da empresa saltou de R$ 139,3 milhões para R$ 332 milhões. Tudo isso apesar de a companhia acumular prejuízos e dívida em alta.