26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Arthur Lira fora: Maia parece reconduzir presidência da Câmara

Deputado alagoano disse que não conseguiu viabilizar um bloco de centro-esquerda e não é mais candidato

O único bloco que ameaçava a reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no comando da Câmara em Brasília foi desfeito, após um acordo com  dirigentes do PP e do MDB. O PTB também entrou no acordo.

Isso praticamente elimina as chances de um deputado destes partidos concorrer à eleição, apesar de Arthur Lira (PP-AL), negou ao Painel da Folha que as negociações tenham sido concluídas. E o alagoano confirmou que retirou seu nome da disputa pela presidência da Câmara.

“Eu não consegui viabilizar um bloco de centro-esquerda. Por isso, não sou mais candidato”. Arthur Lira (PP-AL), deputado federal (PP-AL).

Apesar de nenhum nome que tenha se lançado candidato por esses partidos ser obrigado a deixar a disputa, o consenso é de que fecharão com Rodrigo Maia, candidato de Jair Bolsonaro.

Bolsonaro

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, anunciou em janeiro apoio à reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em troca de espaços no comando da Casa. Maia prometeu a presidência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a mais prestigiada e disputada da Casa, por onde passam todas as matérias para análise constitucional, ao partido. E ganhou votos.

A negociação envolveu também a promessa de o PSL ficar com a segunda vice-presidência da Câmara e a presidência da Comissão de Finanças e Tributação.

Com isso, Maia desagradou ao menos duas siglas que patrocinaram sua ascensão ao comando da Casa. À época, ele ignorou pleitos do PP, que reivindicava espaços ofertados ao PSL, e do MDB. Esses vão esperar para ver se a nova estrutura de apoio a Maia para de pé até fevereiro, na eleição.

Em mensagem no twitter, que por provável arrependimento ele já apagou, o presidente admitiu que o apoio a Maia na Câmara seria pela inevitável derrota no Senado, que estaria fechando com Renan Calheiros.

“Já imaginaram um Presidente sem o Senado porque a maioria elegerá tranquilamente Renan Calheiros e sem também a Câmara dos Deputados pois Rodrigo Maia tem a maioria? Algumas pessoas tem que deixar de ser mimadas e entender como se joga.” Jair Bolsonaro, em mensagem apagada no Twitter.