18 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Audiência pública na ALE debate representatividade das mulheres nos espaços de poder

Audiência está prevista nesta segunda para as 14 horas, no plenário da Casa

Por meio da Comissão de Criança e Adolescente, Família e Direito da Mulher, a Assembleia Legislativa realiza nesta segunda-feira, 28, uma audiência pública para discutir o tema “Representatividade das mulheres nos espaços de poder – Paridade de verdade”. Proposta pela deputada Jó Pereira (sem partido), a audiência está prevista para as 14 horas, no plenário da Casa, e foi pleiteada por advogadas alagoanas e representantes de movimentos ligados aos direitos das mulheres.

A plenária visa debater a necessidade que a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Alagoas (OAB-AL) adote o critério da paridade no edital para eleição da lista sêxtupla do Quinto Constitucional para o Tribunal de Justiça. A adoção da paridade garantirá a participação de, pelo menos, três mulheres na lista.

Em Carta Aberta à OAB-AL, divulgada no mês passado, as advogadas ressaltam que, em 2021, o critério da paridade nas eleições da Ordem possibilitou que muito mais mulheres integrassem os quadros da instituição, sendo um marco contra a exclusão histórica das mulheres advogadas nos espaços de poder e decisão da Ordem.

“Garantir a paridade na lista sêxtupla é um passo importante no caminho pela equidade entre homens e mulheres”, destaca a deputada Jó Pereira.

Encontro terá palestras com advogadas e outras mulheres de destaque de várias partes do país. Entre as quais a promotora de Justiça de São Paulo, Gabriela Manssur, com mais de 20 anos de trabalhos dedicados à defesa dos direitos da mulher; Valentina Jugmann, idealizadora do Movimento Nacional Paridade Já; Fernanda Marinella, ex-presidente da OAB-AL; Patricia Vanzolini, presidente da OAB-SP; Eclair Nantes, secretária-geral adjunta da OAB/MS; Anne Caroline Fidelis, coordenadora do Coletivo Advogadas de Alagoas; Natália Von Sohsten, vice-presidente da OAB-AL; e Lázara Carvalho, cofundadora do Instituto da Advocacia Negra Brasileira – IANB.