25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Encontro com Bolsonaro: PR e Solidariedade querem alterar texto da Previdência

Paulinho da Força disse que iniciativa em discussão é ruim e precisa de alterações

O PR e o Solidariedade anunciaram hoje (9) ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam a reforma da Previdência, mas querem mudanças na proposta enviada pelo governo ao Congresso Nacional.

A nova ofensiva do presidente Jair Bolsonaro em formar uma base aliada não teve o resultado esperado pelo Palácio do Planalto. Na saída de encontro com o presidente, PR e Solidariedade anunciaram postura de independência no Legislativo.

Representantes dos dois partidos estiveram com o presidente, que retomou o diálogo com dirigentes de partidos políticos em busca de apoio para a aprovação de medidas do governo, especialmente a reforma da Previdência.

Presidente do Solidariedade, Paulinho da Força disse que a iniciativa em discussão na Câmara dos Deputados é ruim e precisa de alterações. “A proposta da reforma da Previdência  está ruim e precisa ser melhorada”, afirmou.

O tom foi o mesmo adotado na semana passada, quando o presidente se reuniu com PSDB, DEM, PRB, MDB, PP e PSD, e não teve resultado favorável.

Servidores estaduais

Para o Solidariedade, a reforma das aposentadorias de servidores estaduais e municipais também não deve estar atrelada à reforma da Previdência do governo federal, acrescentando que o presidente Bolsonaro não se manifestou contra as propostas do partido, mas disse que as alterações devem ser debatidas no Congresso.

“Nós achamos que a Previdência dos estados tem que ser tratada em cada estado. Não dá para o governador ficar lá no estado falando mal da reforma e os deputados aqui em Brasília assumindo o ônus”. Paulinho da Força, presidente da Solidariedade.

O Solidariedade propôs ainda a Bolsonaro regras alternativas para a Previdência, como idade mínima de 62 anos para homens e 59 para mulheres, e uma transição com pedágio de 30% de tempo de serviço para todos.

“Uma transição igual para todo mundo de 30%, não essa confusão que o ministro da Economia Paulo Guedes inventou, de 10 formas de transição. A gente faria 30% a mais do tempo que falta para se aposentar para todos”, explicou Paulinho da Força”. Paulinho da Força.

PR

O presidente do PR, Alfredo Nascimento, disse que o partido também é favorável à reforma “com alguns ajustes”, como na aposentadoria dos professores e trabalhadores rurais e no BPC.

“Vamos discutir essas mudanças na proposta dentro do partido, vamos alterar algumas coisas, mas vamos votar com o governo, porque isso a reforma é bom para o país, nossa economia precisa disso”. Alfredo Nascimento, presidente do PR.

Alfredo Nascimento, disse que, assim como o Solidariedade, o PR é um partido independente e não vai fechar questão em torno da reforma apresentada pelo governo. “Não queremos participar do governo, mas vamos tirar do partido a votação da maioria para ajudar o país”, disse.