26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Maceió

Pinheiro condenado: Prefeitura busca recursos para construir novo bairro

Novo local precisa abrigar mais de 10 mil famílias com escolas, hospitais, comércio, praças

Neste sábado (23), o prefeito Rui Palmeira comunicou que decretará calamidade pública não só no Pinheiro, mas também no Mutange e Bebedouro, em decorrência do agravamento das fissuras em imóveis e vias públicas nestas regiões.

Com o decreto, fica comprovado que o caso requer a atenção, apoio financeiro e técnico por parte de todo o poder público. Entre as facilidades, estão as isenções fiscais e a liberação do FGTS para os necessitados, por parte do Estado e da União.

Tudo para ajudar na, praticamente, construção de um novo bairro.

O Pinheiro está condenado. Este é o entendimento da da Agência Nacional de Mineração (AGN) e a Defesa Civil como um tudo. Decisão essa com mensagem mais do que passada na audiência pública do Senado, sobre a região, na quinta-feira (21), presidida pelo senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL).

A conclusão da audiência foi de que cenário é muito grave e que não se deve mais falar em “área amarela” ou “área vermelha”, colocando toda a região em risco. Na prática, a maioria dos moradores das áreas vermelhas já saiu. O próximo passo é providenciar a saída dos moradores áreas amarela e laranja, o quanto antes, para evitar uma tragédia com mortes.

Novo bairro

O subsecretário municipal de Defesa Civil, Dinário Lemos, que chorou durante a audiência diante da recomendação de evacuação, mesmo antes do laudo final (que sai em abril), os atrasos no aluguel social e o desespero dos moradores, já está novamente em Brasília, com o prefeito Rui Palmeira, desta vez para encaminhar no Governo Federal o pedido de recursos para construir um novo bairro.

Este novo local precisa abrigar as mais de 10 mil famílias que hoje moram no Pinheiro, Mutange, Bebedouro. Antes disso, já nesta segunda-feira, a prefeitura receberá mais de R$ 14 milhões, destinado para as famílias da área vermelha.

Nesta terça (26), uma força tarefa vai iniciar o atendimento e cadastramento de moradores, mas desta vez os que residem nas área amarela e laranja. Estas, logo precisam desocupar suas casas, preferencialmente para o novo bairro.

Dinário deve defender em Brasília a construção deste novo bairro, que atenderá 10 mil famílias, a maior parte de classe média. Em algumas comunidades mais pobres, as pessoas não têm documentação dos imóveis e também não podem continuar naquela área, complicando mais o cenário de realocamento.

E como este novo bairro precisa estar apto para receber com boa qualidade os novos moradores, em uma região próxima do Centro de Maceió, próxima do Pinheiro e não de bairros distantes como o Benedito Bentes ou Tabuleiro do Martins, isso tudo poderá levar um tempo. E ter um investimento alto.

São escolas, hospitais, comércio, praças. Tudo do zero. A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) projeta apenas para o fim de abril a conclusão do levantamento, com o laudo sobre a região.

Ele deve trazer o culpado por este êxodo imposto nos moradores da região. Se as causas forem naturais, a União precisa e deve investir para o bem destas famílias. Se terceiros forem culpados, da mesma maneira estes precisam arcar com as consequências. Inclusive financeiras.