25 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade

Tag: Arthur Lira

Centrão: depois do fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões um orçamento paralelo de R$ 11 bi

Centrão: depois do fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões um orçamento paralelo de R$ 11 bi

Blog, Marcelo Firmino, Política
Se em 2021 o "orçamento paralelo", criado presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) foi de R$ 3 bilhões, em 2022, ano eleitoral, a cria vai voar para R$ 11 bilhões. Segundo o jornal O Globo, o presidente da Câmara teria  criado um esquema de “castas” para distribuir o dinheiro com os deputados. Trata-se, a rigor,  da nova modalidade de "mensalão". Assim como a praticada no primeiro governo de Luis Inácio Lula da Silva (PT). O deputado Arthur Lira chegou à presidência da Câmara sem esconder suas propostas. Ele chegou a defender a desvinculação total do Orçamento da União. -Eu quero desvincular o Orçamento. Hoje, você tem Orçamento que bota 25% pra educação, 30% pra saúde, “x” para penitenciárias, vem todo carimbadinho. Então, de 100% do Orçamento, 96% você não
Reforma eleitoral de Lira afrouxa punição para deputados e senadores e reduz mulheres

Reforma eleitoral de Lira afrouxa punição para deputados e senadores e reduz mulheres

Blog, Marcelo Firmino
Na esteira da fraqueza do governo e da maioria atrasada do parlamento brasileiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) segue a onda como o mais influente político da República, na atualidade, e investe numa reforma eleitoral mais que polêmica. Depois de passar a boiada com o aumento de R$ 2 bilhões para quase R$ 6 bilhões de Fundo Partidário, verba dos cofres públicos, a reforma pretendida por Lira prevê o afrouxamento de punição para deputados e senadores pelo mau uso do dinheiro público. Ou seja, é a reforma que já nasce torta e recheada de impunidade. Ela revoga o sistema eleitoral atual e centra fogo na instituição do Distritão, que acaba com a democrática  representatividade do sistema proporcional. Com o Distritão, em um quadro político onde  a co
Desgoverno: Centrão aumenta para R$ 5,7 bi dinheiro do fundo partidário em 2022

Desgoverno: Centrão aumenta para R$ 5,7 bi dinheiro do fundo partidário em 2022

Blog, Marcelo Firmino
O governo Bolsonaro está rendido ao Centrão, faz tempo. Rendeu-se ao esquema da corrupção das vacinas, a instituição do orçamento paralelo de mais de R$ 3 bilhões e agora  à triplicação do dinheiro do Fundo Partidário, que passou de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões. Isso mesmo. Os partidos vão ter para gastar nas próximas eleições a bagatela de R$ 5,7 bilhões, liberados pelos cofres públicos. A proposta nasceu dentro do Centrão e o governo, enfraquecido, disse amém. Ah, além do Centrão capitaneado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e pelo negociador das vacinas e líder do governo Ricardo Barros (PP-PR),  os parlamentares mais entusiasmados com a triplicação do dinheiro do fundo partidário foram Flávio e Eduardo Bolsonaro, Bia Kicis, Carla Zambeli e Osmar Terra, os
Após encontro com Bolsonaro sobre Covaxin, Ricardo Barros diz: ‘eu fico’

Após encontro com Bolsonaro sobre Covaxin, Ricardo Barros diz: ‘eu fico’

Blog, Marcelo Firmino
O líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), conversou com Jair Bolsonaro sobre o escândalo da vacina Covaxin e saiu do Palácio do Planalto dizendo que está "tudo tranquilo". A expectativa é se Bolsonaro tiraria ou não o deputado da liderança. Mas, Barros disse taxativamente à imprensa: "Eu fico". Resta saber que tipo de conversa Barros teve com o presidente da República. O deputado é um dos líderes do Centrão e é investigado há 3 anos, quando era ministro da Saúde no governo Michel Temer. Na época de ministro ele pagou  a Precisa - a mesma empresa da Covaxin - R$ 20 milhões  do Ministério da Saúde por medicamentos de alto custo que nunca foram entregues. O caso se arrasta no Ministério Público todo esse tempo. Agora, no caso Covaxin, o alvoroço tomou conta do Centrão, bloco
Palácio não sinaliza sobre candidato ao governo, mas JHC e Lira já têm os seus

Palácio não sinaliza sobre candidato ao governo, mas JHC e Lira já têm os seus

Alagoas, Blog, Marcelo Firmino
O senador Rodrigo Cunha (PSDB) já é, praticamente, o nome definido do grupo do prefeito JHC(PSB) para concorrer ao governo do Estado, nas eleições de 2022. Não existisse essa tragédia da pandemia, certamente, que a classe política estaria em polvorosa (ou em pé de guerra) com as negociações nesse campo. O grupo do presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP) - hoje o nome mais influente do cenário político  nacional - tem como referência de candidato ao governo o deputado estadual Davi Davino Filho (PP). E o grupo do governo do Estado tem quem como candidato à sucessão de Renan Filho? Essa é a pergunta que todos fazem ao próprio governador e ele próprio ainda diz que não sabe exatamente. E não se trata de esconder o jogo. É que o emaranhado das peças ainda não permitiu e
Ser ou não ser é hoje um drama feroz que povoa a cabeça do governador Renan Filho

Ser ou não ser é hoje um drama feroz que povoa a cabeça do governador Renan Filho

Blog, Marcelo Firmino
Uma dúvida feroz povoa os pensamentos do governador Renan Filho (MDB) na atualidade. Este é um ano pré-eleitoral e muita gente já se movimenta no Estado pensando nas eleições do ano que vem. Mas, o governador de Alagoas, em seu segundo mandato, vive o drama do ser ou não ser candidato ao Senado no próximo ano, mesmo na condição de favorito nas pesquisas. Ele pensa e analisa a conjuntura política. A questão passa pela saúde financeira do Estado. Hoje, Alagoas é um dos poucos da Federação que tem suas contas ajustadas e com recursos consideráveis para investimentos. Só de caixa próprio, frutos dos ajustes realizados pelo governo, Alagoas tem em seus cofres quase R$ 3,5 bilhões para investimentos. Sem falar nos R$ 2 bilhões que entraram nos cofres do Estado, frutos do proce
Centrão pressiona pela saída de Guedes; bloco quer Rogério Marinho

Centrão pressiona pela saída de Guedes; bloco quer Rogério Marinho

Blog, Marcelo Firmino
Apegado ao cargo mais do qualquer outro ministro, Paulo Guedes (da Economia) está vivendo seu inferno astral, neste momento em que o Centrão domina a cena política do governo e de dentro do Palácio do Planalto. A seus colegas do mercado financeiro, Paulo Guedes tem se queixado do avanço do bloco político liderado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Guedes chegou a falar para a sua gente que se for impedido de fazer o que "é necessário fazer" no Orçamento da União entregará o cargo. Para ele, o Centrão tem minado os passos e espaços do Ministério da Economia por que pretende tirá-lo do cargo para colocar no lugar seu desafeto, o ministro do Deseonvolvimento, Rogério Marinho. O Centrão é a maior referência do governo Bolsonaro na atualidade e já descobriu que, em
Governo Bolsonaro nas mãos do Centrão que agora quer tirar Paulo Guedes e Salles

Governo Bolsonaro nas mãos do Centrão que agora quer tirar Paulo Guedes e Salles

Blog, Marcelo Firmino
Quando o deputado Artur Lira (PP), presidente da Câmara, decidiu endurecer o jogo para cima de Jair Bolsonaro, ele sabia exatamente o que estava querendo. A barganha funcionou. O Centrão não apenas derrubou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, como ainda tirou da articulação política o general Luiz Eduardo Ramos. O líder do Centrão queria uma pessoa pra chamar de "sua" dentro do Palácio do Planalto. Foi aí que Ramos caiu da Casa Civil e Arthur emplacou sua amiga Flávia Arruda (PL-DF) como a nova ministra do Gabinete Civil. Arruda é esposa do ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, antigo membro do Centrão que chegou a ser preso na Papuda por corrupção. Ela vai despachar na ante sala do gabinete do Presidente da República. Com direito a ouvir t
Centrão rifa Pazuello e quer indicar novo ministro da saúde

Centrão rifa Pazuello e quer indicar novo ministro da saúde

Blog, Marcelo Firmino
Cada vez mais forte dentro do governo, o Centrão agora parte célere para ocupar novos espaços na estrutura do primeiro escalão e seus líderes marcam como certa a ocupação do Ministério da Saúde. A ideia é tirar o general Eduardo Pazuello do cargo, com o argumento de insuficiência de desempenho. Ou melhor, incapacidade mesmo. O líder do Centrão, deputado Arthur Lira (PP-AL), atual presidente da Câmara dos Deputados, e o presidente do PP, senador Ciro Nogueira têm um nome para ser apresentado, mas no bloco ainda não há consenso. Se dependesse apenas de Lira e Ciro, o deputado federal Luiz Teixeira Júnior (PP-RJ), mais conhecido como Doutor Luizinho, assumiria amanhã o ministério. Só que o líder do governo Ricardo Barros (PP-PR) é candidatíssimo ao cargo de ministro. Já disse
Planalto entendeu o recado do Centrão e rifou o bolsonarista Daniel Silveira

Planalto entendeu o recado do Centrão e rifou o bolsonarista Daniel Silveira

Blog, Marcelo Firmino
O resultado da votação na Câmara que manteve preso o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), trouxe uma certeza ao mundo político. O parlamentar foi "rifado" pelo Palácio do Planalto. Como bolsonarista raiz que é, ele talvez tivesse escapado se o comando da Câmara estivesse sob o controle de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Por que aí o Centrão poderia estar ao lado dele. Acontece que o Centrão, liderado pelo deputado Arthur Lira, o atual presidente da casa, aproveitou o momento para mandar mais um recado ao Presidente da República. E um recado simples: Olha, nós estamos aqui e agora para o bem e para o mal. Você decide. E aí seu Messias, pensando em tudo, assim como na disputa eleitoral em 2022, preferiu se esconder no Alvorada e fez de conta que sequer conhecia o aliado berra