29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

‘Dedo na cara’: Vaza vídeo da PF em que Miranda relata pressão de Arthur Lira a Pazuello por dinheiro

Teria sido o presidente da Câmara que forçou a saída do então ministro da Saúde, que se recusou a liberar verba da pasta a municípios do interesse do alagoano

Um trecho do depoimento do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) à Polícia Federal vazou. Justamente em que o deputado acusa o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), de botar o “dedo na cara” do general Eduardo Pazuello, enquanto este era ministro da Saúde, pois queria mais dinheiro liberado para municípios de seu interesse.

 

“O Arthur Lira, porra. O Arthur Lira colocou o dedo na minha cara e disse: ‘Eu vou te tirar dessa cadeira’, porque eu não quis liberar a grana pra listinha que ele me deu dos municípios que ele queria que recebesse. Ele bota o dedo na minha cara”. Luiz Miranda, parafraseando Pazuello.

Arthur Lira afirmou que as declarações de Luís Miranda à PF devem ser esclarecidas junto a Pazuello. “Sobre as demais informações propagadas, o deputado deverá responder no foro adequado, que é o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados”, finzalizou o presidente da Câmara.

Leia mais: Arthur Lira tira Luís Miranda, delator na CPI, da relatoria da Reforma Tributária

Ainda no trecho em vídeo, Miranda relatou uma “aflição” de Pazuello, que descreveu uma viagem de seis horas de helicóptero com o presidente Bolsonaro, tendo conseguido a atenção dele por apenas 10 minutos.

A conversa entre Miranda e o ex-ministro teria ocorrido no dia 21 de março, um dia depois de o próprio Miranda e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, que é servidor do Ministério da Saúde, terem levado ao presidente Jair Bolsonaro denúncias sobre a compra da vacina indiana Covaxin, cujo contrato foi suspenso em virtude das suspeitas de irregularidades.

Leia mais: Aliado, Miranda chora decepcionado (e com medo) ao concluir que Bolsonaro é corrupto

O depoimento de Miranda foi prestado num inquérito aberto para investigar se Bolsonaro prevaricou, ou seja, não tomou providências ao ser informado sobre as supostas ilegalidades na aquisição do imunizante.