27 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Cultura

Diogo Oliveira apresenta espetáculo Coisa de Preto nesta 4ª feira no Deodoro

Apresentação faz parte da comemoração dos 17 anos de carreira do artista e dos 111 anos do Teatro

Diogo Oliveira nesta quarta, às 20 horas do Teatro Deodoro

Ao completar 17 anos de canto lírico, o  tenor Diogo Oliveira  decidiu comemorar lançando o espetáculo “Coisa de Preto — Um Concerto à brasileira”, no Teatro Deodoro, em Maceió, nesta quarta-feira, 19 de novembro.

Focado no repertório afro brasileiro, ele diz que “é político antes de qualquer coisa”, pontuando assim um posicionamento do artista diante do atual momento vivido no País.

“Coisa de Preto” traz o diferencial da percussão, que, segundo ele, quebra o formato tradicional do concerto lírico de voz e piano.

“É político antes de qualquer coisa”, diz Oliveira em conversa com a reportagem, explicando que o trabalho que será apresentado nessa quarta-feira (17), às 20h, no Teatro Deodoro (rua Barão de Maceió, s/n, Centro), é todo focado em seu repertório afro brasileiro. “Trazendo o diferencial da percussão, quebrando aquele formato tradicional do concerto lírico de voz e piano”, assegura.

Já o repertório consiste em uma coletânea de clássicos da música de câmara brasileira, passando por Chiquinha Gonzaga, Waldemar Henrique, Hekel Tavares e Babi de Oliveira.

O cantor diz que vão rolar atabaques, batuques e pandeiros sob a batuta do percussionista Wilson Santos, o mentor e comandante da Orquestra de Tambores de Alagoas.

A direção é de Carlos Alberto Barros (do grupo teatral Ozinformais) e, além de Wilson Santos, acompanha o cantor o pianista carioca Rafael Simonaci, com direito a performance de dança com Alexandrëa Constantino.

Quanto ao projeto ‘Coisa de Preto’ o título ressignifica uma expressão popular racista, enaltecendo a negritude através de uma arte que historicamente era apresentada em salas de espetáculos e teatros onde cultuavam a cultura europeia” e assim foi inserido para fortalecer a musicalidade e cultura negra.

Lei Aldir Blanc

O projeto foi viabilizado com recurso da lei federal emergencial Aldir Blanc, via Ministério do Turismo e Secretaria de Estado da Cultura. A apresentação nessa quarta-feira integra a programação de aniversário de 111 anos do Teatro Deodoro. Os ingressos a R$ 15 e R$ 30 podem ser adquiridos aqui.