23 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro diz em nota que discurso no dia 7 foi coisa do “calor do momento”

Presidente agiu com um supremo tio do Zap e refugou depois de vociferar discurso golpista nas redes sociais ou ao lado de seus aliados

Passada a ressaca moral do dia 7 de Setembro, com adesão menor do que a esperada e crescente rejeição dentre adversários por todos os lados, o presidente Jair Bolsonaro recuou. Mais uma vez.

Desta vez, resolveu dizer, em nota, que suas palavras golpistas, de ameaça contra ministros do Supremo e contra a Constituição Federal, aconteceram apenas porque ele foi levado no “calor do momento”.

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país”. Jair Bolsonaro, presidente.

O recado, através de nota de assessoria, veio depois de uma reunião com o ex-presidente Michel Temer – que provavelmente aconselhou o presidente a pegar mais leve em seu discurso reaça.

De qualquer forma, Bolsonaro, mais uma vez, agiu com um supremo tio do Zap: falou muito nas redes sociais, criou coragem na roda de amigos, mas na hora do vamos vez, não tem força moral para manter suas palavras. O texto dele, inclusive, reforça que sua intenção nunca foi “agredir quaisquer dos poderes” que não tem direito de “esticar a corda”.

“Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”. Jair Bolsonaro.

O texto, manso se comparado com o “calor do momento” do dia 7, é feito após reações dos presidentes do STF, Senado e Câmera, além de partidos políticos que passaram a colocar o impeachment em pauta.

Além, claro, da paralisação de caminhoneiros bolsonaristas, que perdeu o controle e tratou Bolsonaro como um refém de sequestro, exigindo dele vídeo com “data e hora” para que o movimento liberasse as estradas.

Confira, na íntegra, o texto do presidente:

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA