17 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro grita comunismo e posta trecho de vídeo em que defende guerra civil com 30 mil mortos

Postagem do presidente ataca mais uma vez o isolamento social, falta da proibição de cultos, inventa expropriação de imóveis e insiste em falar em comunismo

Seja o próprio Jair Bolsonaro ou não, a rede social oficial do presidente voltou a gritar comunismo, em postagem desta segunda-feira (12).

Desta vez, com um tom completamente ufanista, um vídeo em que alerta seu seguidores a se prepararem, a mensagem começa com o infame vídeo da entrevista em que ele defendia fechamento do Congresso e morte de 30 mil inocentes.

  1. Nos momentos difíceis deve-se unir forças, nunca ofender exatamente aquele que pode ser decisivo nesse salvamento.
  2. Se a facada tivesse sido fatal, hoje você teria como Presidente Haddad ou Ciro. Sua liberdade, certamente, não mais existiria.
  3. Não desagregue, some, acredite… Convença aqueles que estão ao seu lado a defender a Constituição, em especial seu art. 5°, a nossa Bandeira verde e amarela…
  4. Hoje você está tendo uma amostra do que é o comunismo e quem são os protótipos de ditadores, aqueles que decretam proibição de cultos, toque de recolher, expropriação de imóveis, restrições a deslocamentos, etc…

Usando de uma retórica completamente extremada e sem sentido, a postagem do presidente ataca mais uma vez o isolamento social, falta da proibição de cultos, inventa expropriação de imóveis e insiste em falar em comunismo.

E com ar de ditador amado pelo povo, exaltando nacionalismo e religião, o presidente apenas joga mais gasolina na fogueira.

“Cada vez mais a população está ficando sem emprego, renda e meios de sobrevivência… o caos bate na porta dos brasileiros. Pergunte o que cada um de nós poderá fazer pelo Brasil e sua liberdade e … prepare-se”. Narração do vídeo.

Vale lembrar: o vídeo começa com sua entrevista de 1999 em que defendia fuzilamento de FHC, então presidente na época, fechamento do Congresso caso fosse presidente e instalação de uma guerra civil, mesmo que com a morte de 30 mil inocentes.

Só nesta pandemia, ele já ajudou a matar 10 vezes mais que isso.