26 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro quer que o Exército matricule sua filha, sem processo seletivo, em colégio militar

Unidade em Brasília abriu concurso para apenas 15 vagas no sexto ano, e presidente quer que a filha Laura seja matriculada de forma excepcional

Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro pediu ao comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, tratamento especial à filha dele, Laura Bolsonaro, 10, e que a criança seja matriculada no Colégio Militar de Brasília de forma excepcional, sem passar pelo processo seletivo a que são submetidos meninos e meninas que disputam as vagas abertas na unidade de ensino.

O CCOMSEx (Centro de Comunicação Social do Exército) confirmou o pedido e o o comandante ainda não proferiu uma decisão a respeito do pedido. O general aguarda uma manifestação do Departamento de Educação e Cultura da Força, conforme previsto em regulamento que trata do funcionamento dos colégios militares. A partir disso, a questão “será levada para despacho com o comandante”.

A Secretaria Especial de Comunicação Social do governo federal, que assessora o presidente da República, não comentou o assunto, mas o presidente falou sobre o caso com seus fãs do cercadinho:

“Minha filhota, do Colégio Militar de Brasília. Legal. A minha deve ir ano que vem para lá, a imprensa já tá batendo. Eu tenho direito por lei, até por questão de segurança”. Jair Bolsonaro, presidente.

Se Laura for matriculada no Colégio Militar de Brasília sem passar pelas provas exigidas de candidatos mirins, o Exército deve repetir o benefício dado ao filho da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). No ano passado, o menino de 11 anos foi matriculado no colégio, sem seleção, para cursar o sexto ano.

“Realmente foi um privilégio, mas não um privilégio imoral. Eu tive que tirar  no meio do ano letivo, de uma cidade que ele adorava, com os amigos dele, a família. Tive que trazer ele às pressas para Brasília por causa das ameaças que ele passou a sofrer de novo”. Carla Zambelli.

Exame

As inscrições prosseguem até 24 de setembro. Depois, há um longo calendário até a efetivação da escolha dos alunos que estudarão nos colégios militares do Exército.

O exame intelectual, que será aplicado em 17 de outubro, consiste em 12 questões de matemática, 12 de língua portuguesa e uma redação de 15 a 30 linhas.

As vagas nos colégios militares são disputadas. Em 2017, na unidade em Brasília, houve 1.212 candidatos para 25 vagas ofertadas para o sexto ano, ou 48 candidatos por vaga.

No caso da filha de Bolsonaro e da primeira-dama Michelle Bolsonaro, o comandante do Exército também poderá sacramentar o entendimento de que se trata de um “caso especial”,