12 de julho de 2024Informação, independência e credibilidade
Blog da Graça Carvalho

Sem feriado da Copa e inflação goleando a cozinha: cadê o carro do ovo?

Alimentos impulsionam maior alta de preços para o mês de junho desde 1995, segundo IBGE.

Dieta do ovo está pela hora da morte.

A semana começa sem o esperado “feriado” da terça-feira – Brasil fora da Copa – e com a inflação galopando. Na sexta-feira, dia do fatídico 2 x 1, o  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o percentual apurado pelo  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): 1,26% em junho.

Segundo a agência de notícias do próprio IBGE, “alimentos impulsionam maior alta de preços para junho desde 1995”. Ou seja, há 23 anos, não era registrada uma alta do gênero, o que afeta não só, mas, sobretudo, às camadas mais pobres da população.

Coincidência ou não, na sexta-feira, horas antes do jogo, recebi uma “sentença” durante consulta à nutricionista: “você tem que comer uma média de seis ovos ao dia” (para compensar o fato de eu não comer  carne, nem frango). Hummm,  sei.

Voltei para casa fazendo as contas. Nos supermercados de Maceió, uma dúzia de ovos custa, em média seis reais. Serão necessários 180 ovos, mensalmente. Um investimento de  R$ 90,00.

A solução é correr atrás do carro do ovo (aquele que vende trinta por dez reais). Ou, quem sabe, comprar um galo e uma galinha para transformar a varanda em galinheiro.

De quebra, ainda pode ser instalado um serviço de despertador para o condomínio. Bom (só que não). Cadê o carro do ovo?

Graça Carvalho é jornalista profissional, radialista e advogada, pós-graduada em Direito Tributário e Direito Processual. Após mais de 20 anos de exercício do Jornalismo, em meados de 2012, passou a dedicar-se à Advocacia, em escritório próprio. No Jornalismo, atuou em veículos impressos, televisão e diversas assessorias de imprensa, tendo recebido o o Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça (2011) e Prêmio Banco do Brasil/Petrobras de Jornalismo (2007), ambos por trabalhos desenvolvidos, respectivamente, à frente das Assessorias de Comunicação do Ministério Público Federal (MPF/AL) e do Ministério Público e Alagoas (MPE/AL).