26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Davos: Bolsonaro chama imprensa de “antiprofissional” e cancela coletiva

Mais cedo, presidente disse que se seu filho Flávio for culpado de algo, ele pagaria

E Bolsonaro fugiu. O presidente, que está em Davos, no Fórum Econômico Mundial, cancelou com apenas 40 minutos de antecedência uma entrevista coletiva que concederia a jornalistas na Suiça. A quipe do Fórum, claro, foi pega de surpresa.

Após almoçar com investidores e apresentar os prospectos para o Brasil, Bolsonaro se reuniu com o presidente da Suíça, Ueli Mauer, e com o ex-premiê britânico, Tony Blair. Mas depois ele voltou pro hotel.

Segundo o cronograma, ele deveria se dirigir ao centro de imprensa, onde faria um pronunciamento seguido de entrevista coletiva com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça).

O assessor da Presidência, Tiago Pereira Gonçalves, disse que o cancelamento da entrevista coletiva se deu devido à “abordagem antiprofissional da imprensa”.

O local para a primeira conversa do presidente e dos ministros com a imprensa brasileira já estava preparado, mas nem mesmo os ministros Paulo Guedes, Sergio Moro e Ernesto Araújo, mas eles também não apareceram.

Os jornalistas estrangeiros só foram comunicados oficialmente pela organização do Fórum 17 minutos após o horário em que a entrevista começaria. E isso pegou mal. É incomum que um chefe de Estado ou governo não dê nenhuma entrevista coletiva em Davos, evento visto como uma vitrine mundial para investidores.

Filho problema

Mais cedo, Bolsonaro declarou em entrevista à agência Bloomberg que se seu filho Flávio Bolsonaro, atolado em denúncias que agora envolvem até milícias no Rio, for culpado no caso envolvendo movimentações atípicas em sua conta, ele pagaria por isso.

Sem surpresa, os jornalistas brasileiros têm insistido em perguntas sobre o caso ao presidente, que acuado responde apenas com silêncio. Fernando Haddad, do PT, foi mais um a questionar as inúmeras denúncias.

“Como é que alguém que manuseou R$ 7 milhões, em três anos, pode ter pedido um empréstimo de R$ 40 mil? Qual o sentido disso? Infelizmente, está tudo muito mal explicado. E, agora, as relações com os milicianos, possivelmente incluindo aqueles envolvidos no assassinato de Marielle Franco.” Fernando Haddad.

O petista está na Europa para uma série de palestras e reuniões com lideranças

Haddad repercutiu sobre a operação “Os Intocáveis”, realizada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio de Janeiro com o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil, que teve como alvo milicianos que atuam na Zona Oeste do Rio.

Dois dos envolvidos (o major Ronald Paulo Alves Pereira e o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega) foram homenageados pelo deputado estadual na Assembleia Legislativa. Adriano é acusado de comandar o Escritório do Crime, milícia que também está sendo investigada por suspeita de relação com a execução da vereadora Marielle Franco em março do ano passado.

E não só isso: o miliciano teve a esposa e a mãe indicadas para trabalhar no gabinete de Flávio, na Alerj, por Queiroz. Bolsonaro se esquivou e culpou seu ex-assessor pela contratação.

“A família defende a atividade dos milicianos. Recentemente baixou um decreto facilitando a aquisição e a posse de armas e já anunciou que vai facilitar o porte. E para onde isso tudo conduz? Para a legalização das milícias e a privatização da segurança pública? Ouvi Bolsonaro dizendo em uma entrevista que é absolutamente favorável ao pagamento de milícias. Isso significa a privatização do serviço. As comunidades pobres do Rio de Janeiro e de São Paulo, pagando milicianos para a defesa própria, ao invés de colocar o Estado em defesa do cidadão.” Haddad.

De acordo com Haddad, a família Bolsonaro não conseguiu explicar a sua evolução patrimonial, visto que eles conseguiram atingir algo em torno de R$ 15 milhões apenas em patrimônio imobiliário.