16 de abril de 2021Informação, independência e credibilidade
Blog

Fanáticos invadem estúdio para agredir radialista que criticou o “mito”

Radialista Júnior Albuquerque é alvo de ameaças por parte de bolsonaristas | Reprodução/Youtube

O jornalista José Simão costuma dizer que somente acha gays escandalosos quem nunca viu machos escrotos defendendo Bolsonaro.

Brincadeiras à parte, o fanatismo está chegando a um ponto em que somos obrigados a ver registros lamentáveis como a quase agressão física ao radialista Júnior Albuquerque, da Rádio Comunidade, no município de Santa Cruz do Capibaribe, Agreste de Pernambuco.

Assista:

O que o profissional da comunicação fez para ser alvo de reação tão agressiva por parte de quatro homens? Ele criticou a falta de uma política sanitária do governo federal diante da pandemia de Covid-19.

Quem não tem argumentos parte para a agressão. É por isso que a corja fanática bolsonarista tenta intimidar fisicamente quem exerce o direito de se expressar. Júnior somente não foi agredido graças à intervenção dos colegas. Um boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil.

Ao JC on-line, o comunicador explicou a situação. “Há algumas semanas entrou em pauta as quase 300 mil mortes por Covid-19 no Brasil (na época ainda não havíamos superado esta triste marca) e eu fiz um comentário opinativo, onde expus que no meu ponto de vista, Hitler não era o único culpado do genocídio que aconteceu na Alemanha, pois quem o apoiou e quem se calou também teve sua parcela de culpa. Assim como no Brasil, em relação à covid-19, os eleitores de Bolsonaro que concordam com a política sanitária que ele vinha fazendo, também iam ter culpa e a história ia dizer isso”.

Após os comentários, as ameaças começaram e culminaram na invasão ao estúdio. Não tem como defender esse desgoverno que trabalhou a favor da doença mesmo antes do novo coronavírus iniciar a turnê pelo Brasil.

Pode abusar da Lei da Segurança Nacional e da tentativa de intimidação até por meio de ameaças e agressão física. Entre 1964 e 1985 os lixos históricos enfrentaram resistência e não será agora que vão silenciar os que estão ao lado da vida e da liberdade.