18 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Mario Frias gasta 13 vezes teto da Rouanet por reunião em NY e JN questiona: “por que não on-line”?

Apesar de os valores estarem disponíveis no Portal de Transparência, que pertence ao governo federal, Frias criticou a “falta de ética” dos jornalistas

A viagem de Mario Frias de cinco dias para ver o lutador Renzo Gracie em Nova York somou gastos equivalentes a 13 vezes o teto da Lei Rouanet para cachês de artistas.

Conforme dados do Portal da Transparência, foram gastos R$ 39 mil para tratar de um “projeto cultural envolvendo produção audiovisual, cultura e esporte” com o lutador de jiu-jítsu bolsonarista.

Segundo o Portal da Transparência (clique aqui para acessar), a viagem considerada “urgente” pelo governo aconteceu para que o secretário discutisse “um projeto cultural envolvendo produção audiovisual, cultura e esporte” com o lutador de jiu-jitsu brasileiro Renzo Gracie.

O jornalista William Bonner questionou na edição de hoje do “Jornal Nacional” por que o secretário especial da Cultura gastou R$ 39 mil em uma viagem aos Estados Unidos para ver um apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Enquanto isso, na terça (8), o governo oficializou o limite cachês de artistas pela Lei Rouanet a R$ 3.000.

Essa mudança significou uma diminuição de mais de 93% no cachê que era permitido até então, de R$ 45 mil, e havia sido anunciada antes pelo Twitter do secretário de Fomento, André Porciuncula.

Na ocasião, ele disse que o cachê de R$ 3.000 é “um valor excelente para artistas em início de carreira”, e “não haverá exceções para celebridades”.

Outro lado

Apesar de os valores estarem disponíveis no Portal de Transparência, que pertence ao governo federal, Frias criticou a “falta de ética” dos jornalistas.

Segundo ele, “todas as manchetes expostas nas imagens são mentirosas, pois não paguei essa quantia por essa viagem, não viajei de executiva e a finalidade da viagem não foi da forma como colocaram nas inverídicas manchetes”.

Ou ele está mentindo ou o Portal da Transparência está errado.