30 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Policia

Rio: Polícia Civil descobre planos de milícia para matar Marcelo Freixo

Suspeito são ligados ao grupo investigado pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes

Um policial militar e dois comerciantes foram citados num relatório confidencial da Polícia Civil como suspeitos de envolvimento num novo plano para executar o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL).

Os três homens são ligados a um grupo de milicianos da Zona Oeste, investigado pela Divisão de Homicídios (DH) pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes.

A vereadora Marielle Franco (PSOL) foi morta porque milicianos acreditaram que ela podia atrapalhar os negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio. O crime estava sendo planejado desde 2017, muito antes de o governo federal decidir decretar a intervenção federal no Rio.

O assassinato de Freixo, segundo o documento, aconteceria durante uma agenda programada pelo parlamentar para o próximo sábado em Campo Grande. Freixo encontraria com militantes e professores da rede particular de ensino, no sindicato da categoria. Os detalhes da atividade do parlamentar foram divulgados nas redes sociais e eram públicos.

Os três nomes citados já eram investigados por um suposto vínculo em grupos paramilitares da Zona Oeste há pelo menos cinco anos. Também aparecem no controle de operações ilegais da máfia dos caça-níqueis e do jogo do bicho.

Marcelo Freixo revelou que cancelou sua agenda marcada para sábado assim que tomou conhecimento do relatório e das ameaças, sendo cauteloso ao não relacionar o caso às investigações do assassinato de Marielle.

“Há um grau de veracidade na ameaça. Eu tinha realmente um compromisso público no próximo sábado em Campo Grande, que obviamente vou cancelar. Mas o que chama a atenção, é que os milicianos continuam soltos, ameaçando e matando. Se há uma conexão desses nomes com o caso Marielle eu não posso dizer porque a investigação está sob sigilo. Deputado Estadual Marcelo Freixo (PSOL).

Com 342.491 votos, Marcelo Freixo foi o segundo deputado federal mais votado no estado do Rio nas eleições deste ano. Ele está no final do seu terceiro mandato na Alerj. Desde que presidiu a CPI das Milícias em 2008, passou a contar com proteção policial depois de receber inúmeras ameaças concretas de morte.

No relatório final da CPI, Freixo pediu o indiciamento de 225 políticos, policiais, agentes penitenciários, bombeiros e civis. Também foram citados no documento uma série de sugestões e medidas para o enfrentamento de grupos paramilitares.

Milícias e Tropa de Elite

Morando nos Estados Unidos desde o lançamento do filme “Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro” (2010), o cineasta José Padilha contou para a revista Trip que se mudou para o exterior após ser ameaçado por homens armados que tentaram invadir sua produtora no Rio de Janeiro.

O diretor também contou que foi processado por 17 policiais militares após o lançamento do longa-metragem que mostra problemas de corrupção dentro da política e forças armadas brasileiras, sobretudo no  Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).