20 de abril de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Ao lado de globo terrestre, Bolsonaro diz ser ‘fácil impor uma ditadura no Brasil’

Presidente não se contém em live, lê carta de um suicida e critica governadores por ações na pandemia para não perder base de apoiadores

O presidente Jair Bolsonaro não se conteve em manter seu discurso falso de usar máscaras e defender a vacinação em sua live semanal. E na desta quinta (11), foi além falar como seria fácil impor uma ditadura no Brasil. E ler a carta de um homem que teria se matado por não suportar o distanciamento social, prática recomendada para esta pandemia.

Vale lembrar: na live anterior, o presidente havia falado em ‘frescura e mimimi‘ diante das dezenas de milhares de mortes por causa da Covid-19, e que o Brasileiro precisava sair de casa. E aproveitou para, rindo, comemorar o aumento de suicídios neste período por ter ‘acertado mais uma’ sobre .

Sem espinha, Bolsonaro não resistiu muito tempo na sua fase “responsável” após a liberação dos direitos políticos de Lula que, em especial, fez um importante discurso nesta terça-feira (9).

Ao falar pela primeira vez após a decisão monocrática de Edson Fachin que anulou suas condenações na Lava Jato, Lula chegou de máscara, assim como os demais presente, falou do Zé Gotinha, que 80 milhões de brasileiros foram vacinados com H1N1 enquanto presidente e que deveríamos evitar as ‘decisões imbecis’ do presidente Bolsonaro e do ministro da Saúde, o General Pazuello.

Lula aproveitou para afirmar que Bolsonaro é um terraplanista. Como resposta “sutil”, pela primeira vez em suas lives, Bolsonaro colocou um globo terrestre em sua mesa.

Medidas contra covid

As medidas contra covid-19, no entanto, duraram apenas algumas horas. Horas após o discurso de Lula, Bolsonaro e seu ministério apareciam pela primeira vez mascarados após 36 eventos oficiais.

Leia mais: Bolsonaro diz que ‘máscara é coisa de viado
Exército acusou Bolsonaro de ser ‘corno, muambeiro’ e planejar atentado terrorista

E na ocasião, aproveitou para vender a ideia de que era defensor da vacinação, a melhor arma para que o país saia do massacre do novo coronavírus.

Seu filho 01, o senador Flávio Bolsonaro, compartilhou um Tweet com uma falsa fala do pai. O filho 01, o vereador Carlos Bolsonaro, foi além e disse que apenas “canalhas” dizem que seu pai nunca defendeu vacina – uma outra mentira deslavada.

Claro, algumas horas depois, o 03, o deputado federal Eduardo Bolsonaro mostrou o que pensa da covid-19 e de suas vítimas no Brasil, mandando ‘enfiar a máscara no rabo‘, o que não é recomendado pela OMS, diga-se de passagem. Por maior obsessão que eles tenham pelo reto, o equipamento é para cobrir nariz e boca.

E meio que na mesma tocada, pois os apoiadores ficaram confusos (é pra usar máscara ou não? a Coronavac presta afinal?), Bolsonaro se mostrou novamente completamente sem espinha, sem nenhuma convicção de suas ações, e resolveu jogar para sua galera das redes sociais: “distanciamento social ruim, governadores malvados, pandemia mentira, votem em mim 2022“.

Para quem achava que após o próximo discurso de Lula, Bolsonaro defenderia até a reforma agrária, não vem acompanhando o mesmo filme de humor negro (ou literal terror) que o Brasil vem sofrendo.

Em tempo: pelo segundo dia seguido, o Brasil confirma mais de 2 mil mortes por covid-19 em 24h. Já são quase 273 mil e contando.