20 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Artigo

O presidente que gritou covid

E desinformou com remédio inútil e perigoso, desviou atenção de depoimento do filho e de seu próprio, do pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente, da acusação bilionária contra o da Economia…

Era uma vez um presidente. Que gritou covid.

Foi ao hospital, tirou chapas, fez o exame e falou aos apoiadores:

– Estou de máscara por precaução, pois tenho cansaço, febre e dores.

E com isso, como sempre, no jornalismo dominou o lead.

Não se enganem, é muito triste disso ter de desconfiar.

Quando se trata de um presidente, tudo deveria ser preto no branco.

É o lúdico do cargo: nem precisaria de passagem pra dizer que “verdade vos libertará”

Infelizmente, temos que ficar com o pé atrás num mundo em que ninguém é franco.

Em março, no começo da pandemia, o mesmo presidente teria pego covid.

Mais de 20 ao seu redor caíram, mas disse ter ficado de pé, forte e resistente.

E não quis divulgar os resultados, enfrentando a mídia com revide.

Deu bananas, mas não a papelada, dando a entender que é alguém que mente.

Corta para alguns meses depois, e sem ninguém pedir chega e fala: peguei covid.

Sem querer repetir o assunto, tenho que insistir: aqui, ele controlou o lead.

Queiroz foi preso. Complicou seu filho Flávio e nessa terça o mesmo prestou depoimento.

Mas quem podia duvidar que a saúde do presidente não deixaria todo mundo intrigado?

Com isso, pouco ou nada se falou do filho dos laranjas e milícias, num baita provimento.

E ainda aproveitou para desinformar sobre a doença, achando que só falava com seu gado.

Em apenas um dia, a hidroxicloroquina o curou. Um remédio, inclusive, altamente desacreditado.

Não é nem o caso de vetar um último recurso: ele piora, acelera o coração e em alguns casos mata.

Só que mantendo o roteiro de seu discurso, mais uma vez reforçou seu medicamento limitado.

E, claro, acreditaram, pois este é o homem incorruptível, honesto e que acabou com a mamata.

Como acreditar, se meses atrás até decisão judicial foi preciso para revelar seu exame?

Que, aliás, ele os fez com nomes falsos, como se estivesse com vexame.

Desta vez, havia mais em jogo: apesar de dizer o contrário, seu entorno está pegando fogo.

O filho Carlos não terá foro especial. O mesmo que beneficiou o filho Flávio, mas este já teve que depor.

E se o filho Eduardo é mais um encrencado por causa do Gabinete do Ódio,

a crise não se restringe à família: Ministérios do Meio Ambiente, Meio Ambiente, Economia, seja lá o que for:

MPF pediu afastamento de Salles, Araújo tem cabeça à prêmio e Guedes é protagonista no próximo episódio.

Quem diria, até o Posto Ipiranga está sendo investigado – e por uma fraude de mais de um bilhão de reais.

A investigação é feita pela PF, órgão que levou a PGR a pedir esclarecimentos do presidente.

Que para desviar desse e de outros focos, dominou o cenário como se não fosse nada demais.

E com tanta inconsistência e desinformação, não é a toa que muitos acham que ele mente.

O mais frustrante? Tratado como Messias, outros mais ainda acreditam nele e fazem questão de defender.

E diante te todos os questionamentos e linhas possíveis de pensamento, só o que perguntam é “mas e o PT”?