13 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Pneumonia: Saúde de Bolsonaro já deixa Mourão em alerta

Estimava de alta seria de dez dias após cirurgia, mas saltou para 18 dias e Mourão já diz “aguardar o que é esta questão da pneumonia”

O quadro hospitalar do presidente piorou. Agora com pneumonia, Jair Bolsonaro (PSL) segue sem data fica para a alta no hospital Alberto Einstein. Ele tenta se recuperar da reversão da colonoscopia, mas prejudicou sua reabilitação voltando a trabalhar antes do previsto.

Médicos afirmam que a detecção da pneumonia em Bolsonaro, que tem 63 anos e foi vítima de uma facada durante as eleições, integra um quadro de complicação clínica que inspira cuidados. Antes, seu intestino parou de funcionar dois dias após a operação e por isso ele já estava tomando antibióticos.

Bolsonaro, em foto do dia 1º de fevereiro

A infecção é uma piora que costuma se manifestar depois de 48 horas de uma internação, geralmente com mais de sete dias. E apesar das recomendações de repouso, as constantes visitas e sua insistência em trabalhar permitiram este cenário. Com isso, não é possível apontar com precisão o que estaria acontecendo de fato e ele precisa ser observado.

Os imprevistos começaram na própria cirurgia. O plano original era religar as duas pontas do intestino grosso que estavam separadas, o que levaria três horas. Mas por causa da grande quantidade de aderências, partes do intestino que ficam coladas, foi retirado o cólon direito e construída uma ligação direta entre o intestino delgado e o intestino grosso. A cirurgia levou sete horas.

No sábado passado, ele teve episódios de náuseas e vômitos, causado por infecção intra-abdominal, que necessitou de drenagem. O quadro levou à paralisia do intestino delgado. Seu estômago também está com acúmulo de líquido. E se antes sua conta pessoal procurava tranquilizar sobre a recuperação, nada mais se fala sobre alta hospitalar por enquanto.

Mourão

A detecção da pneumonia prolongará ainda mais a internação do presidente, por no mínimo mais sete dias, devido ao aumento de antibióticos. A estimava de alta seria após dez dias, a última quarta-feira (6). Agora, ele ficaria 18 dias em um cenário mais otimista. O que dá mais atenção ainda ao vice-presidente, o General Hamilton Mourão.

“Vamos aguardar o que é esta questão da pneumonia. O dado que temos aí ainda é incipiente e é normal de acontecer quando a pessoa fica muito tempo deitada. Ambiente de hospital tem esses problemas. Vamos aguardar. General Hamilton Mourão, vice presidente, que disse não ter conversado ainda com Bolsonaro sobre o caso.