29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Policiais civis de Alagoas iniciam paralisação de 72 horas

Agentes e escrivães cobram, do governo Renan Filho (MDB), o aumento do piso salarial da categoria

Agentes e escrivães ficarão, nesta segunda, na Central de Flagrantes 1

Teve início nesta segunda-feira (20), em Alagoas, a paralisação das atividades dos policiais civis por 72 horas. Agentes e escrivães cobram, do governo Renan Filho (MDB), o aumento do piso salarial da categoria.

De acordo com o Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol/AL), agentes e escrivães da polícia civil são as que recebem o pior piso salarial da Segurança Pública.

“O governo do Estado nega e esconde a existência dos agentes e escrivães, da importância do trabalho desses profissionais dentro da estrutura da Segurança Pública. A categoria também acumula perdas salariais de 16%, além da inflação deste ano. O descaso do governo com os agentes e escrivães culminou em revolta da categoria, resultando na decisão da paralisação de 72 horas”. Ricardo Nazário, presidente do Sindpol.

Ricardo Nazário, presidente do Sindpol

Mobilizados Central de Flagrantes I, no bairro do Farol, em Maceió, os policiais devem permanecer durante todo dia no local, enquanto que na terça (21) eles devem se concentrar em frente à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), para se reunir com o o secretário Fabrício Marques e tratar do piso salarial.

Já na quarta-feira (22), a diretoria visitará as delegacias para reforçar a paralisação. Até lá, o Sindpol disponibilizará de música ao vivo a serviços gratuitos de saúde, como aferição de pressão, limpeza de tártaro, aplicação de flúor e avaliação odontológica, além de café da manhã, almoço e lanche.