24 de junho de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Antonio Albuquerque condena mais uma vez atuação da CPI da Pandemia

Deputado alagoano defendeu o Governo Federal

Durante a sessão desta quarta-feira, 19, o deputado Antonio Albuquerque (PTB) fez duras críticas à CPI da Pandemia do Senado Federal e defendeu a política do Governo Federal no combate à Covid-19. O deputado declarou que a CPI não tem outra finalidade, a não ser de tentar produzir efeitos políticos.

“Essa CPI é extremamente desnecessária e, a meu ver, imoral”. Antonio Albuquerque.

Albuquerque falou ainda que a CPI não tem respeitado o povo e nem ajudado o País a superar a pandemia. O deputado também afirmou que fez uso da cloroquina.

“Fiz uso da cloroquina e estou convencido de que ela me serviu”, destacou. O deputado afirmou que não existe nenhum remédio que tenha em sua bula uma autorização para prescrição contra a Covid-19.

Em seu pronunciamento, Albuquerque ainda defendeu o presidente da República, Jair Bolsonaro, mesmo dizendo que discorda dele em alguns assuntos.

“Acusam o presidente da República, que divirjo em algumas coisas, de que não trouxe a vacina para o povo brasileiro. A Pfizer esteve na CPI e disse que o registro para essa vacina só esteve à disposição da população brasileira agora em fevereiro”. Antonio Albuquerque.

Por fim, o deputado questionou os números apresentadas à população pela imprensa.

“Transformam, de maneira criminosa, uma pandemia numa bandeira de luta política desrespeitosa. Não posso ficar assistindo discursos vazios e demagogos, sem nenhum cunho de moralidade. Essa minha indignação é também a de um percentual muito grande da população alagoana e brasileira”. Antonio Albuquerque.

Primeira crítica

No dia 4 de maio, em discurso na Assembleia Legislativa de Alagoas, o deputado Antonio Albuquerque (PTB) criticou a atuação de governadores e prefeitos na condução do combate à pandemia do coronavírus (Covid-19) no país.

Mostrando ser contrário a instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que investiga as ações do presidente da República, Jair Bolsonaro, no combate à doença no Brasil, ele ressaltou que a compra do imunizante não está sendo fácil para o Governo Federal, devido a grande demanda – mas ignorou que Bolsonaro recusou milhões de doses, como as da Pfizer, no ano passado.

O deputado ressaltou que o presidente Bolsonaro, do qual discorda em alguns pontos, enviou recursos para municípios e estados usarem no combate à doença, no entanto, nenhum conseguiu frear o avanço da pandemia.

“Comprar vacina a quem? Quando? Essa vacina ainda é um experimento. Sobre ela há toda série de dúvidas. Agora vem deputado, governador e prefeito condenar o uso deste ou daquele medicamento. A população de Alagoas e do Brasil já não aguenta mais ouvir essa balela todos os dias”. Antonio Albuquerque.

Há um ano, reclamou de ditadura do decreto

Em 8 de maio do ano passado, quando testou positivo para covid-19, o deputado. Antonio Albuquerque chegou a reclamar da ‘ditadura’ do decreto em frente ao prédio onde mora, na Ponta Verde. E bradou contra o uso de máscaras:

“Isso é uma pouca vergonha. Estão querendo dizer que um homem respirando a própria saliva está melhor do que respirando ar puro? Isso é ridículo. Isso é uma covardia e a população aceitando calada, acovardada. Isso é uma vergonha”. Antônio Albuquerque, deputado estadual.

Ele se sentiu atacado depois que uma equipe da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) informou que ele deveria retirar o carro estacionado na frente do apartamento onde reside. E foi quando desabafou contra o governador Renan Filho (MDB) e o superintendente da SMTT, Antônio Moura.

No dia 27 de abril, ele e outros deputados da Assembleia Legislativa de Alagoas testaram positivo para a covid-19.