29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Opinião

Bolsonaro diz ter provas de fraude nas eleições; Então que sejam anuladas

Grave afirmação foi dada nos EUA para plateia de apoiadores, mas provas não foram apresentadas

Em discurso para 300 apoiadores nos EUA, o presidente Jair Bolsonaro se sentiu confortável para falar de tudo. Talvez confortável até demais: dizendo que o coronavírus é superdimensionado, ignorando a crise do petróleo e pane das bolsas, e que bastava o congresso devolver os R$ 30 bilhões do orçamento para não haver atos no dia 15, o presidente foi além e disse ter prova de que as eleições foram fraudadas.

“Minha campanha, eu acredito que, pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno, mas, no meu entender, teve fraude. E nós temos não apenas palavra, nós temos comprovado, brevemente eu quero mostrar”. Jair Bolsonaro, presidente.

A fala é grave. Primeiro, por ser no pior momento possível, após o pior dia em décadas para a economia nacional, com perdas bilionárias talvez irrecuperáveis, o que claramente é mais uma cortina de fumaça de vossa excelência, assim como ele mais uma vez diz ter provas de algo e não as apresenta. E ao atacar categoricamente a lisura do pleito, ele parece abrir mais um caminho perigoso em seu governo.

“Nós precisamos aprovar no Brasil um sistema seguro de apuração de votos. Caso contrário, (é) passível de manipulação e de fraudes. Então, eu acredito até que eu tive muito mais votos no segundo turno do que se poderia esperar, e ficaria bastante complicado uma fraude naquele momento”. Jair Bolsonaro.

Além de ser uma desculpa para mexer no sistema eleitoral, afinal ele nunca gostou das urnas eletrônicas, Bolsonaro já se antecipa para as próximas eleições, afirmando que não vai aceitar uma derrota. Se ganhando ele afirma ter havido fraude, pois queria vencer no primeiro turno, imagine ele não sendo o vencedor: sendo o ‘senhor da razão’, não vai largar do trono. E está disposto a usar da força.

Neste meio tempo, o TSE precisa correr atrás do presidente e exigir estas provas. E mais importante: como é o próprio chefe do executivo afirmando tal absurdo, e que se passou mais de um ano e meio após as eleições com ele tendo provas sem ter afirmado nada antes, é preciso que as eleições de 2018 sejam anuladas e realizadas novamente.