23 de novembro de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Carlos Bolsonaro diz que limpa a bunda com gravatas de Moro e de general

Eis o nível dos atos que circulam da república brasileira nesses tempos de agora

Carlos Bolsonaro: limpando a bunda com gravatas…
O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho “02” de Jair Bolsonaro e principal articulador do pai nas redes sociais, afirmou, na quinta-feira, 12, que “limpa a bunda” com as gravatas do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, e do general Santos Cruz.
Ele rebateu críticas que ambos fizeram às declarações do presidente em relação a vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac.
Carlos respondeu a uma seguidora, que disse que Moro e Santos Cruz fizeram uma dobradinha no Twitter para criticar Bolsonaro. “Limpo a bunda com as gravatas dos dois”, disse o vereador, em um post com mais de 3 mil curtidas.
Santos Cruz integra o rol de militares que levantaram críticas contra o governo. Bolsonaro comemorou a suspensão de testes com a vacina. “Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu o presidente nas redes sociais, em referência ao governador de São Paulo, João Dória, que anunciou a compra de doses do medicamento.
Os testes já foram retomados, pois ficou provado que a morte de um voluntário ocorreu por suicídio, e não tem relação com imunizante.

 

 

O post foi compartilhado por Moro e virou alvo das declarações de Carlos.

 

 

Sem politização

Além deles, o comandante do Exército, general Edson Pujol também rebateu a “politização dos quartéis” e negou qualquer envolvimento político das Forças Armadas. “Não queremos fazer parte da política governamental ou política do Congresso Nacional e muito menos queremos que a política entre no nosso quartel, dentro dos nossos quartéis. O fato de, eventualmente, militares serem chamados a assumir cargos no governo, é decisão exclusiva da administração do Executivo.”
Em artigo publicado no Correio Braziliense, em 27/10, o general Otávio do Rêgo Barros, ex-porta-voz da Presidência, afirmou que o poder “inebria, corrompe e destrói”. Ele também criticou “seguidores subservientes” do governo, em claras críticas a Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.